Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

Tiro de Guerra de Capivari formou jovens para campo de batalha

Cerca de 5 mil rapazes já passaram pela unidade do interior de São Paulo durante os 100 anos de funcionamento

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2017 | 06h00

CAPIVARI - O aposentado Benedito Ággio, de 91 anos, o seu Benê, conhece o valor do serviço militar. Nascido em 1926, serviu no Tiro de Guerra (TG) de Capivari em 1944 e foi homenageado na festa do centenário, celebrada em 20 de setembro. "Como era o tempo da 2.ª Guerra, havia 120 atiradores. A todo momento nosso pessoal era colocado de prontidão para um possível embarque para a frente de batalha, na Europa. Além de manusear fuzil com baioneta, aprendíamos a cavar trincheiras." 

+++ Exército já treina mulheres para o front

Foram convocados rapazes de várias cidades para aumentar o contingente. "Tivemos aulas sobre os costumes da Itália, até aprendemos alguma coisa do italiano. Volta e meia alguém falava que os navios estavam atracando em Santos e íamos embarcar. No fim, meu ano acabou e fiquei aqui, até frustrado de não ter ido à guerra." Ele se arrepende de não ter seguido carreira militar - fez concurso público e se tornou inspetor de alunos. "Nunca esqueci o que aprendi no TG de Capivari. Muitos dos colegas do tiro ficaram meus amigos pelo resto da vida. Pena que já morreram."

+++ Quando se troca o balé pelo combate

Cerca de 5 mil jovens já passaram pelo TG de Capivari. Entre os ex-atiradores está o jurista e o ex-ministro do Trabalho, Almir Pazzianotto. O prefeito de Capivari, Rodrigo Proença (PSDB), afirma que a cidade se orgulha de seu Tiro de Guerra. "É uma escola de cidadania, que auxilia na formação de nossa juventude."

+++ Três militares do Exército morrem afogados durante treinamento na Grande SP

Os 100 anos do Tiro de Guerra de Capivari foram comemorados no dia 20 de setembro, com a presença do general de Exército João Camilo Pires de Campos, comandante militar do Sudeste, homenageado com o título de cidadão honorário. Na ocasião, lembrou que, ao todo, oito tiros de guerra em sua área de comando chegavam ao centenário.

"O orgulho que temos do nosso Exército não é pelo armamento, nem pela quantidade de helicópteros ou pelas missões que fazemos. É porque temos valores, temos história", disse.

Mais de 600 pessoas participaram da cerimônia, encerrada com a Canção do Expedicionário, apresentada pela Banda de Música da Escola Preparatória de Cadetes de Campinas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.