Tiro acidental atinge militares em quartel do Exército em Osasco

Soldado limpava a arma quando disparo perfurou sua mão e atingiu a cabeça de colega

Pedro da Rocha, do estadão.com.br,

22 de junho de 2011 | 02h46

SÃO PAULO - Um tiro acidental disparado pelo soldado do Exército Tiago dos Santos Fernandes feriu o próprio na mão, além de atingir a cabeça do soldado Júlio Fernando Zerbinato, de 20 anos, por volta de 16h45 de terça-feira, 21. A tragédia ocorreu dentro do 4º Batalhão de Infantaria Leve (BIL), localizado no bairro de Quitaúna, em Osasco, na Grande São Paulo.

 

Tiago limpava sua pistola 9mm em uma alameda dentro do quartel, quando a arma disparou. A bala atingiu sua mão, sem causar maiores danos, e seguiu a trajetória até acertar Júlio na têmpora. Ele foi socorrido ao Hospital Municipal Amador Aguiar, próximo da base do exército, e em seguida transferido para o Hospital Regional de Osasco, onde permanece na UTI, em estado grave.

 

O Policial Militar e pai de Júlio, Heitor Brito de Alcântara, de 36 anos, questionou a inabilidade de Tiago. "Qualquer um com o mínimo de conhecimento sobre armas sabe que não se faz a limpeza com uma bala na agulha e apontando na direção de outra pessoa". Para ele o disparo foi fruto de falha no treinamento do soldado.

 

O autor do disparo é do 20º Grupo de Artilharia de Campanha Leve (GACL), que, segundo o Major Marcelo, do 4º BIL, é motorista, pertence a outro quartel e estava em missão em Osasco. O major disse ainda que há um local específico, com bancada, para se efetuar a limpeza de arma.

 

Júlio vinha se preparando para possivelmente viajar ao Haiti, em missão de paz do exército brasileiro. Ele treinava em um grupo de 180 militares, dos quais 140 seriam selecionados para tal missão.

 

Um Inquérito Policial Militar foi instaurado e apurará o ocorrido. O major Marcelo afirmou ainda que uma hora depois do acidente, testemunhas e peritos realizaram a reconstituição dos fatos no local onde tudo ocorreu.

 

Atualizado às 5h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.