Tiffany: juiz manda soltar receptadores de joias

A Justiça mandou soltar o comerciante Nelson José da Silva, de 51 anos, e a comerciante chinesa Ceng Chumee, de 35, presos em flagrante na última sexta-feira por receptação de parte das joias roubadas da Tiffany do Shopping Cidade Jardim, na zona sul da cidade.

Plínio Delphino, O Estado de S.Paulo

11 Fevereiro 2011 | 00h00

De acordo com a sentença do juiz titular da 2.ª Vara Criminal de Santos, Alexandre Coelho, "a gravidade do crime de receptação, que não envolve violência ou grave ameaça, não justifica a medida (de manter presos os dois acusados)".

Em sua argumentação, o magistrado ressalta que "os presos comprovaram residência fixa e ocupação lícita".

O texto da decisão de primeira instância ainda destaca que Ceng não tem antecedentes criminais e uma passagem anterior pela polícia em desfavor de Nelson (também por receptação, segundo a polícia) não é suficiente "para a extraordinária medida de custódia cautelar".

A polícia encontrou 22 peças roubadas da Tiffany no ano passado na casa de Nelson, em Santos, litoral paulista. Em seguida, apreendeu outros dez anéis na casa de Ceng, na Aclimação, em São Paulo.

A comerciante chinesa contou aos investigadores que enviou oito peças do lote roubado para a China.

"Pena de receptação é pequena e a facilidade em sair em liberdade é grande. Nossos legisladores precisam pensar em leis mais rigorosas para receptadores", disse Nelson Silveira Guimarães, chefe do Departamento de Investigações Sobre o Crime Organizado (Deic).

Onda de roubos. No último ano, São Paulo registrou 17 assaltos a joalherias em shoppings. O último foi na segunda-feira, no MorumbiShopping. Do total, nove foram esclarecidos. E 30 pessoas acabaram presas. Entre elas os seis acusados de roubar a Tiffany do Cidade Jardim.

Tiroteio

Seis pessoas foram baleadas em tentativa de assalto a joalheria no Shopping Pátio Mix Costa Verde, em Itaguaí, Baixada Fluminense, na noite de ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.