Thor Batista perde carteira de motorista

Justiça acatou argumento de risco à ordem pública e voltou a cassar CNH de filho de Eike

CLARISSA THOMÉ / RIO, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2012 | 03h03

A Justiça fluminense voltou a suspender a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de Thor Batista, de 21 anos, filho do empresário Eike Batista. Por 2 votos a 1, a 5.ª Câmara Criminal negou o recurso da defesa de Thor, que pedia a liberação da habilitação. O rapaz perdeu o direito de dirigir depois de atropelar e matar o ciclista Wanderson Pereira Santos, em março, na Rodovia Washington Luís.

Em 13 de setembro, os desembargadores da 5.ª Câmara haviam liberado Thor para dirigir, ao conceder liminar no recurso impetrado pela defesa do filho do empresário. Ao analisar o mérito do recurso, no entanto, os magistrados levaram em conta a argumentação da procuradora de Justiça Maria Célia Gonzaga da Igreja, que defendeu que "a não suspensão do direito de dirigir do acusado pode colocar em risco a ordem pública".

Com a nova decisão da Justiça, o rapaz terá de devolver a habilitação ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran). A defesa de Thor Batista informou que vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça. Thor está sendo processado pelo crime de homicídio culposo.

Na denúncia, o Ministério Público afirma que ele agiu "de forma imprudente", ao dirigir em velocidade acima da permitida. A perícia apontou que ele estava a 135 km/h, quando o permitido é 110 km/h. Na denúncia, promotores também afirmam que Thor fez ultrapassagens irregulares, usando a faixa da direita, ao passar por um ônibus da linha Petrópolis/Nova Iguaçu e um Ford Fiesta. E citam o fato de que Thor teve 11 infrações de trânsito entre 2010 e 2011, a maioria delas por dirigir acima da velocidade permitida.

Os advogados de Thor contestaram anteriormente a perícia oficial, alegando que o veículo não estava a 135 km/h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.