Defesa Civil
Defesa Civil

Teto de escola infantil desaba no interior de São Paulo e deixa ao menos 19 feridos

Vítimas, maioria crianças, tiveram escoriações leves; prédio foi interditado pela Defesa Civil

José Maria Tomazela, Marina Dayrell e Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

18 Abril 2018 | 09h21
Atualizado 18 Abril 2018 | 15h55

SÃO PAULO - O teto do refeitório de uma escola infantil municipal desabou quando os alunos tomavam café da manhã, às 8 horas desta quarta-feira, 18, em Agudos, no interior de São Paulo. As crianças, funcionários e professores ficaram presos sob os escombros. Houve pânico e gritaria. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, 19 pessoas ficaram feridas, entre elas 15 crianças. No início da tarde, duas professoras continuavam em observação num hospital de Bauru. A escola foi interditada pela Defesa Civil.

A Creche Berçário Professora Diomira Napoleone Paschoal, na Avenida Faustino Ribeiro, região central da cidade, atende crianças com até cinco anos de idade e cerca de 20 alunos e quatro professoras estavam no refeitório quando o teto veio abaixo. Quando o Corpo de Bombeiros chegou, funcionários já estavam retirando e tentando acalmar as crianças atingidas. Os feridos foram levados para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do município.

De acordo com o diretor administrativo, Regis Pauletti, a maioria das 19 vítimas deu entrada com escoriações e lesões leves. Duas professoras e uma criança foram transferidas para um hospital de Bauru, cidade próxima, porque tinham convênio médico, segundo ele. Um carro da Secretaria da Educação foi atingido pelos escombros e ficou danificado.

De acordo com o engenheiro Agostinho de Barros Tendolo, do corpo técnico da prefeitura, a possível causa do desabamento foi uma infiltração de água da chuva, que comprometeu o madeiramento do telhado. Uma "tesoura" de madeira que sustentava a estrutura se rompeu, "causando um efeito cascata que resultou no rompimento de todo o telhado do refeitório", informou.

Após inspeção do Corpo de Bombeiros, a Defesa Civil interditou o local e deve emitir um laudo ainda nesta quarta-feira. As aulas foram suspensas e, dependendo do laudo, podem ser transferidas para outro local. Em nota, a prefeitura informou que o socorro às vítimas foi imediato e pontual, "com toda a assistência da Secretaria da Saúde, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), UPA e funcionários municipais". O município vai abrir sindicância para apurar o acidente. A Polícia Civil também vai abrir inquérito.

TEMER

No Twitter, o presidente Michel Temer, natural de Tietê, no interior paulista, manifestou preocupação com as consequências do desabamento. "Estou acompanhando com muita apreensão as consequências do desabamento do teto de uma escola infantil em Agudos, São Paulo. Calamidades desta natureza não podem acontecer impunemente. Mas primeiro vamos dar atenção às crianças e adultos atingidos. E rezar por eles", escreveu.

 

+ Explosão em posto de gasolina na zona norte de SP deixa ao menos sete feridos

Mais conteúdo sobre:
Bauru [SP]desabamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.