Testemunha viu fogo na turbina de jatinho antes da queda

A caixa-preta do jatinho será levada aos EUA no domingo; mas aparelho pode não ter funcionado

Bruno Tavares, Estadão

09 de novembro de 2007 | 13h50

Uma testemunha do acidente com o Learjet 35, que caiu de bico em uma casa na Casa Verde, zona norte de São Paulo, e deixou 8 mortos, ouvida na quinta-feira, 8, disse que viu fogo na asa direita do jatinho e que ouviu uma explosão antes do choque do jato com as casas. Segundo a delegada Elizabete Sato, responsável pelas investigações sobre o acidente, outra testemunha afirmou que o avião deu piruetas no ar e depois caiu. A caixa-preta de voz do jatinho será levada no domingo para o National Transportation Safety Board (NTSB), nos Estados Unidos, onde será periciada. A expectativa dos investigadores do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) é retornar para o Brasil até o fim da próxima semana. Embora a leitura do gravador de voz seja peça crucial da apuração, peritos da Aeronáutica e representantes dos fabricantes do jato e das turbinas, além de especialistas americanos, continuam inspecionando os destroços do Learjet. O chefe do Seripa, tenente-coronel Wagner Cyrillo Júnior, não descarta a possibilidade de não encontrar qualquer registro dos diálogos na cabine. "Os aviões de pequeno porte não são obrigados a ter caixas-pretas", explica o oficial.

Tudo o que sabemos sobre:
Learjet 35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.