Reprodução
Reprodução

Testemunha reconhece suspeito como autor do disparo contra grávida

Corpo de Daniela Nogueira de Oliveira foi enterrado na tarde desta sexta-feira

William Cardoso - Atualizado às 18h10,

11 Janeiro 2013 | 16h55

SÃO PAULO - A Secretaria de Segurança Pública (SSP) confirmou que um dos cinco suspeitos ouvidos nesta sexta-feira, 11, sobre o caso da grávida baleada na cabeça teve a prisão temporária decretada. Ele foi reconhecido pela testemunha do crime como o autor do disparo que matou Daniela Nogueira de Oliveira, de 25 anos, então grávida de nove meses.

Em comunicado divulgado pela SSP, o suspeito é identificado pela sigla A.A.A. e tem 22 anos. Ele já era procurado por roubo e cumpria pena em regime semi-aberto, mas não voltou à cadeia. A polícia chegou até ele após uma denúncia anônima. De acordo com o delegado Lawrence Luiz Fernandes Ribeiro, a testemunha o identificou com "100% de certeza'.

Segundo informações da polícia, a assistente administrativa Daniela Nogueira de Oliveira levou um tiro na cabeça após reagir a um assalto no Campo Limpo, zona sul da capital paulista. Sua morte encefálica foi confirmada na tarde de quinta-feira. O corpo de Daniela foi enterrado na tarde desta sexta-feira, 11, no Cemitério Parque dos Ipês, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo.

Entre os presentes no enterro estava a professora Marisa dos Santos Alves, de 52 anos. Ela era vizinha de Daniela antes de a assistente administrativa casar, na Cohab Adventista, na zona sul. Marisa afirmou que os moradores da antiga rua de Daniela colocaram panos brancos nas janelas. "Estamos fazendo isso desde as 6 horas, como forma de pedir paz, que é o que queremos", disse. "Também colocamos panos brancos nas árvores do Condomínio Horto dos Ypês".

O crime

Segundo a polícia, a principal hipótese é de que Daniela tenha sido vítima de uma tentativa de assalto. Os criminosos, no entanto, não levaram nada. Imagens de câmera de segurança de um prédio perto do local do crime mostram Daniela passando pela Rua Osíris de Camargo, onde costumava estacionar o carro. Ela e o marido, o gerente Josemar Araújo de Oliveira, de 26 anos, tinham apenas uma vaga de garagem para os dois veículos da família. Enquanto passava pelo local, Daniela era seguida de perto por dois homens em uma moto Twister.

O lugar exato onde a assistente administrativa estacionou fica fora do alcance das câmeras. Mas logo em seguida as imagens gravadas pelo sistema de segurança do prédio mostram um jovem correndo pela rua. Daniela foi encontrada do lado de fora do carro, ainda com a bolsa, com um tiro na cabeça.

Seis minutos após a entrada da vítima no Hospital do Campo Limpo, os médicos decidiram pela realização da cesariana, para salvar o bebê. A criança, chamada Gabriela, nasceu com 2,2 quilos e saudável - o parto estava programado para a sexta-feira da próxima semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.