Teste de agressividade volta a ser discutido

Sindicatos do setor de segurança defendem nova exigência para avaliar o autocontrole dos candidatos a vigia

O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2011 | 03h02

O caso de ontem pode trazer à tona uma antiga polêmica relacionada à formação dos seguranças: a obrigação de se fazer teste de agressividade antes de ganhar certificação profissional.

Atualmente, esse processo é regido por uma lei federal de 1983, que lista uma série de exigências para que um segurança receba o certificado. Eles são obrigados a fazer curso de formação, prova escrita, teste psicotécnico e apresentar atestado de antecedentes criminais.

Especialistas, no entanto, já têm sugerido há algum tempo uma reforma nas exigências que contemple um teste para medir o nível de autocontrole dos candidatos a vigia.

"Temos de tirar disso uma lição muito dura e aprimorar a legislação. Os laborais têm sugerido o teste de agressividade e nós assinamos embaixo", afirma José Jacobson, presidente do Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp).

Segundo ele, o ideal é que esse teste possa avaliar o tipo de reação de cada indivíduo em situações de estresse, o que diminuiria as chances de repetição de tragédias como a de ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.