Terra em 2013 está pior que em 2007

Relatório do IPCC reforça a certeza de que a culpa pelo aquecimento do planeta é do homem; cientistas apontam falta de ações políticas

GIOVANA GIRARDI, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2013 | 02h09

Com 90% de probabilidade, é seguro dizer que a ciência já tinha certeza, em 2007, quando foi divulgado o relatório anterior do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), de que a culpa do aquecimento que o planeta já vem experimentando e sofrerá ainda mais no futuro é do homem. No novo relatório, essa certeza aumentou ainda mais - mas numa proporção ainda maior se elevou o impacto do homem sobre a Terra. O planeta de 2013 é pior que o de 2007 e fica a dúvida se desta vez a mensagem dos cientistas vai conseguir sensibilizar os governantes e provocar ações.

"O IPCC é um corpo científico, fazemos ciência, não fazemos política pública. É a ONU e os governos que têm de ouvir a mensagem científica e agir. Nossa obrigação é mostrar que a urgência está aumentando e é isso que trazemos nesse relatório", afirma o pesquisador brasileiro Paulo Artaxo, da USP, e um dos autores principais do capítulo sobre nuvens e aerossóis.

Essa conclusão, segundo Artaxo, está sintetizada em um dado que num primeiro olhar pode ser de difícil compreensão - a chamada forçante radiativa, que mede o conjunto das interferências humanas no clima. De 2005 (ano base medido no relatório de 2007) a 2011 (usado no texto atual), houve um aumento de 43% nesse valor.

Na prática ela reflete a alteração no balanço radiativo da atmosfera. "O que mantém a vida e o clima no planeta é esse equilíbrio entre o quanto entra de radiação solar na Terra e o quanto sai. A forçante expressa essa diferença", diz.

Quanto mais gases de efeito estufa se acumulam na atmosfera, mais a radiação fica retida. E o valor da forçante sobe. "No final das contas, ela reflete todos os mecanismos com os quais o homem está alternando o clima. E em cinco anos, essa interferência aumentou 43%. É uma alteração brutal", diz.

Ao comparar, nos dois relatórios, os efeitos das mudanças climáticas já sentidos pelo planeta, fica mais evidente essa piora. No texto de 2007, por exemplo, a elevação do nível do mar registrada desde 1901 era de 17 centímetros. Agora são 19 cm.

O aumento da temperatura a partir de 1850 era de 0,76°C. No novo relatório, partindo de 1880, o clima esquentou 0,85°C. Na versão anterior se considerava que o Ártico estava perdendo 2,7% de gelo por década. Na atual, vai de 3,% a 4,1%. Aumentou, ainda, o grau de certeza de que estamos experimentando mais noites e dias quentes (mais exemplos nesta página).

Governança. "Estamos acelerando esse processo muito por causa da inação política. A bola agora está no campo da governança das mudanças climáticas globais", complementa Artaxo.

"O ponto crítico agora não é mais a ciência. Ela é sólida. O que se precisa agora é estruturar um sistema que permita implementar uma política global de redução das emissões, vigiar se os países estão cumprindo suas metas e eventualmente punir quem não cumprir", defende. "É preciso lidar com o problema mais complexo da história da humanidade."

O pesquisador José Marengo, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e também membro do IPCC, ressalta que o novo relatório "insiste na importância da atividade humana no aquecimento observado desde 1950" e de modo "mais forte e mais consistente" quantifica o tamanho desse impacto.

"Talvez a inação global seja porque os governantes não estão entendendo nossa mensagem. Cientistas não são bons comunicadores sociais por natureza", diz, em tom de humildade. "Mas esse não é só um relatório, é o estado da arte do que a ciência conhece sobre o problema. Só espero que os políticos não esperem que tragédias aconteçam para agir." /COLABOROU BÁRBARA FERREIRA SANTOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.