Termina rebelião de presos em cadeia pública de Franca

Local comporta 216 pessoas, mas está atualmente com 475 detentos; parte do prédio foi destruído

Ricardo Valota, do estadao.com.br,

05 de março de 2008 | 03h16

Terminou às 2 horas desta quarta-feira, 5, uma rebelião promovida pelos 475 detentos da Cadeia Pública da cidade de Franca, a 400 quilômetros da capital paulista, região nordeste do estado. Os presos atearam fogo em colchões e destruíram boa parte das dependências do local, que tem 28 celas para 216 pessoas. Viaturas da 05ª Companhia do 15º Batalhão de Policiamento Militar do Interior (BPM/I), agentes do Grupo de Operações Especiais (GOE) e do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (GARRA) cercaram o local. O motim começou depois de uma tentativa de fuga, às 20h30, momento em que os carcereiros entregavam a janta aos detentos. Um dos agentes carcerários foi pego como refém, mas foi liberado sem ferimentos. Os rebelados esperaram pela chegada de uma advogada para que as negociações pudessem chegar ao fim. Um revólver calibre 38 estava em poder dos presos. "Já solicitamos vagas em outros presídios pois haverá necessidade de transferência. Vamos abrir uma sindicância para apurar como essa arma chegou até os presos.", disse Eduardo Lopes Bonfim, diretor da Cadeia Pública. Segundo ainda o diretor, havia no momento da tentativa de fuga seis carcereiros de plantão. Os policiais atiraram para cima para evitar que os detentos conseguissem sair do setor das celas e chegassem ao saguão intermediário que dá acesso à frente do prédio. Revoltados, os presos atearam fogo em colchões. Parte do prédio está sem luz.

Tudo o que sabemos sobre:
Francacadeia públicarebelião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.