Termina protesto da Força Sindical contra aumento nos pedágios de SP

A intenção da organização é realizar na semana que vem protestos pulverizados por todo o Estado

Bruno Lupion, do estadão.com.br

01 de julho de 2010 | 08h36

 

SÃO PAULO - Os cerca de 40 integrantes da Força Sindical que realizaram uma manifestação, com carros de som, em frente às cabines do pedágio da Rodovia dos Imigrantes, se dispersaram por volta das 8 horas desta quinta-feira, 1. O ato, iniciado por volta das 6 horas, é um protesto contra o aumento de cerca de 4% nas tarifas dos pedágios em todas as rodovias estaduais paulistas, que começa a valer a partir de hoje.

 

A manifestação aconteceu junto à praça de pedágio da Rodovia dos Imigrantes localizada no quilômetro 32, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. A intenção da Força é realizar na semana que vem protestos pulverizados por todo o Estado.

 

O pedágio da Imigrantes, rodovia que leva o motorista até a Baixada Santista, com o aumento, passou de R$ 17,80 para R$ 18,50. Pedágios da Rodovia dos Bandeirantes passarão de R$ 6,10 para R$ 6,35. Na Rodovia Ayrton Senna, entre São Paulo e o Vale do Paraíba, a tarifa mais cara será de R$ 2,40. Uma das usuárias da rodovia, a atriz Fernanda Franceschetto, de 33 anos, que não sabia do aumento, se dizia chocada. "Fico com a sensação de que estamos sendo sempre roubados."

 

Durante o protesto, os participantes se posicionaram em frente às cabines do pedágio da Rodovia com faixas abertas e distribuindo folhetos aos motoristas. Num deles, apareciam os seguintes dizeres: "O governo constrói estradas com dinheiro público e depois entrega para a iniciativa privada. O novo trecho do Rodoanel é a próxima vítima, fique de olho."

 

Em outro folheto, os manifestantes afirmavam que com os R$ 18,50 dá para se comprar um quilo de carne, dois litros de leite, um quilo de arroz, um quilo de feijão e duas latas de óleo. "Nós não somos contra o pedágio, mas R$ 18,50 é uma extorsão. Imaginem o que eles (a concessionária Ecovias) não ganham em um final de semana prolongado. Isso aqui é que nem o jogo do bicho: o dinheiro entra limpo", afirmo Hélio Herrera Garcia, secretário-geral da Força Sindical no Estado de São Paulo.

 

O comerciante Manoel Martins, de 55 anos, declarou "isso é uma ladroagem, tá muito caro. A estrada é boa, mas metade desse valor estava bom demais". Já para o contador Paulo Rogério, de 43 anos, "esse valor é absurdo. Gasto R$ 300,00 por mês nesse pedágio para ir para a Baixada todo os dias".

 

Cerca de 15 veículos de passeio dos manifestantes, que estavam estacionados no acostamento próximo ao pedágio, foram multados pela Polícia Rodoviária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.