Terceirização do 190 será em até 90 dias

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou nesta quarta-feira, 4, que a terceirização do atendimento de emergências por telefone da Polícia Militar, o 190, deve começar em São Paulo em até três meses. Os primeiros municípios a terem a substituição serão a capital paulista, Osasco e São José dos Campos.

Caio do Valle, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2013 | 02h12

Com a medida, o governo do Estado pretende liberar parte dos PMs que trabalham no serviço para o atendimento nas ruas. Hoje, são 900 PMs que atuam nos 15 Comandos de Operação da Polícia Militar (Copom).

As equipes contratadas serão treinadas e trabalharão sob orientação de policiais, segundo a PM. "O policial militar não vai sair do 190. Ele vai ser o supervisor de todo o trabalho e vai fazer o despacho, o trabalho principal", disse Alckmin.

Para isso, o governo defende o modelo já implementado em Minas, Distrito Federal, Rio e Sergipe. Alckmin também rebateu as críticas à terceirização. "Sempre que a gente faz uma inovação desperta um debate, o que é positivo. Mas isso já foi implantado em alguns Estados e se mostrou um debate superado, porque deu certo", defendeu ontem o governador.

Mais conteúdo sobre:
TerceirizaçãoDisque 190SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.