Tentativa de roubo seguida de tiroteio na Anhangüera fere 1

Caminhão que transportava eletroeletrônicos era escoltado por dois seguranças; um deles segue internado

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

25 de setembro de 2008 | 02h37

Uma tentativa de roubo a um caminhão que transportava eletroeletrônicos acabou em uma intensa perseguição com troca de tiros em plena Rodovia Anhangüera, na zona oeste da capital paulista, por volta das 21h30 desta quarta-feira, 24. Uma pessoa ficou ferida.   Dois seguranças de uma escolta foram surpreendidos por uma quadrilha na altura do quilômetro 15 da pista sentido interior-capital da Rodovia Anhangüera, na divisa entre a capital paulista e Osasco. Por volta das 21h30, no momento em que foram alvo dos criminosos, Francisco Oliveira Fernandes, 46 anos, e Antonio Nicolau de Souza, 41, escoltavam uma carreta Volvo, carregada com eletroeletrônicos. O veículo havia saído de Cajamar e seguia para Barueri, na Grande São Paulo.   Ferido nas costas, Fernandes segue internado no Hospital Geral de Vila Penteado, na zona norte; Souza saiu ileso. O Gol ocupado pelos dois seguranças foi atingido por pelo menos 10 tiros. A intenção do bando que, segundo Souza estava em três veículos e armado de pistolas, era dominar a escolta e depois abordar o caminhão mais a frente.   "Eles já chegaram atirando e gritando, dizendo 'a casa caiu'. Quando eu vi que meu colega já estava baleado e sonolento, eu não tive outra escolha, comecei a atirar e pedir proteção a Deus.", relatou Antonio Nicolau após prestar depoimento no 91º Distrito Policial, de Vila Leopoldina.   O segurança ainda ajudou o colega a guiar o veículo até o pátio do Hipermercado Extra, na Rua Samuel Klabin, no Alto da Lapa, próximo da marginal Tietê, onde os dois se refugiaram. De dentro do próprio veículo da escolta, Nicolau acionou o serviço de bloqueio via satélite da carreta, que parou na marginal Tietê junto à Ponte dos Remédios, na região do cebolão.   O caminhoneiro e seu ajudante não chegaram a ser feitos reféns, pois seguiram viagem e, a exemplo de Nicolau, também não se feriram. Sem conseguir dominar os seguranças, os criminosos desistiram do roubo e, no trecho final da rodovia, saíram à direita antes da Ponte Atílio Fontana.   Segundo a polícia, um dos carros usados pelos assaltantes era um Fiat Doblò preto. "Estou há 15 anos nesta profissão e esse é o segundo ataque que sofro. Na outra vez, saímos vitoriosos. Desta vez foi Deus quem salvou a gente", desabafou o segurança.D

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.