Tentativa de invasão de prédio deixa 4 baleados

Idoso, que moraria no local, confessou ter atirado em autônomo, cozinheira, carteiro e servente; grupo de 300 sem-teto desistiu da ocupação e fugiu

BRUNO RIBEIRO, JULIANE FREITAS, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2012 | 02h04

A invasão de um prédio na Rua do Ouvidor, no centro da capital paulista, por um grupo de cerca de 300 integrantes de um movimento sem-teto, terminou com quatro pessoas baleadas, na madrugada de ontem. Um homem de 64 anos, apontado pela polícia como proprietário de um imóvel no prédio, foi detido como autor dos disparos, mas a polícia tem dúvidas se realmente foi ele quem atirou.

A invasão foi por volta 2h30, segundo a polícia. Policiais foram chamados para atender uma ocorrência de tentativa de roubo e, quando chegaram ao prédio, encontrou os quatro baleados: um autônomo de 31 anos, um carteiro de 43, um servente de 22 e uma cozinheira de 31. Os PMs detiveram o homem apontado, inicialmente, como autor dos disparos. Mas as vítimas disseram à Polícia Civil, já no Hospital Vergueiro, que não havia sido o idoso quem atirou.

Uma das vítimas - a cozinheira - permanecia internada em estado grave e, até a tarde de ontem, corria risco de morrer. Os responsáveis, segundo as testemunhas, seriam um grupo não identificado, que fugiu logo após a confusão - e o homem detido teria função de vigiar o imóvel vazio. A polícia, no entanto, recebeu também a informação de que o detido moraria lá com a família - o prédio é residencial.

O edifício, que fica na esquina com a Rua Riachuelo, terminou não sendo ocupado pelo movimento e permaneceu sob proteção policial durante todo o dia de ontem - houve, na rua, protesto dos sem-teto. A arma usada nos disparos não foi localizada pela polícia. Uma perícia no local localizou munição para revólveres calibre 32 e 380.

Além de esclarecer a autoria dos disparos, policiais do 8.º Distrito Policial (Brás) devem identificar também os autores da invasão do prédio, que devem responder processo por esbulho possessório - crime que qualifica a invasão de imóveis de terceiros. Já quem for responsável pelos tiros deve responder por tentativa de homicídio doloso - quando há intenção de matar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.