Tentativa de furto causa curto-circuito e para trem do Metrô

Pedaço de metal deixado por ladrões em trilhos da Linha 3 causou incidente; passageiros tiveram de andar até plataforma

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2013 | 02h04

Incidente envolvendo a tentativa de furto de materiais na noite de anteontem assustou os passageiros da Linha 3-Vermelha do Metrô de São Paulo. Um trem que seguia no sentido Palmeiras-Barra Funda, nas proximidades da Estação Patriarca, na zona leste da capital, avançou sobre um pedaço de metal caído nos trilhos, causando curto-circuito. A composição parou e os usuários tiveram de desembarcar e seguir andando pela passarela de emergência. Ninguém se feriu.

O objeto caiu na via por onde se deslocam os trens quando ladrões tentavam levar partes do chamado terceiro trilho (equipamento que energiza o sistema). Esses objetos são usados pela empresa contratada pelo Metrô para modernizar a rede elétrica da Linha 3.

Nos últimos domingos, os serviços têm levado à paralisação parcial do serviço no ramal, o mais sobrecarregado da cidade.

O material vinha sendo armazenado perto dos trilhos. Os bandidos teriam pulado o muro ao lado da linha do metrô para furtá-lo. O trem envolvido no incidente foi o 346, da frota antiga. Essa composição, no entanto, já teve o sistema de freios modernizado. O condutor teria se assustado com a presença de pessoas nos trilhos e acionado o freio de emergência. Apesar disso, não houve tempo suficiente para o trem parar antes do objeto, provocando o curto-circuito.

Em nota divulgada ontem, o Metrô informou que "durante a ocorrência os usuários foram retirados da composição e levados até a Estação Patriarca, seguindo todos os padrões de segurança". Além disso, a empresa, que é controlada pelo governo do Estado, afirmou que "uma equipe de manutenção do Metrô removeu o material e, na sequência, o trem seguiu viagem". Mas a composição teria ficado mais de meia hora parada, prejudicando o deslocamento dos demais trens, o que agravou o problema de superlotação.

O Metrô disse ainda que, durante toda a operação comercial, seus "agentes de segurança realizam rondas de vigilância tanto nos trens quanto nas plataformas e demais ambientes das estações de forma ininterrupta, para evitar a prática de delitos e garantir a segurança dos passageiros". A empresa, porém, não deu detalhes sobre a tentativa de furto de domingo, se houve prejuízo e se alguém foi preso.

Freio. Outra ocorrência havia atingido a mesma Linha 3-Vermelha na sexta-feira, por volta das 18h45, horário de pico. O operador do trem H67, que seguia rumo à Barra Funda, puxou o freio de emergência entre as Estações Pedro II e Sé. A ação afetou o resto do sistema.

O Metrô não esclareceu o que ocorreu exatamente, alegando apenas que o fato foi uma "ocorrência pontual" e não uma falha. / CAIO DO VALLE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.