Tentativa de assalto deixa um morto e policial ferido na zona sul de SP

Na zona norte, quatro criminosos tentaram roubar PM quando este chegava em casa; um dos bandidos foi baleado e morto e os outros fugiram

Ricardo Valota, Central de Notícias

12 de abril de 2011 | 10h23

SÃO PAULO - Duas tentativas de assalto, entre as 20h e 20h45 desta segunda-feira, 11, terminaram com um policial baleado e dois criminosos mortos. Os crimes ocorreram em Santo Amaro, zona sul da capital, e Vila Nova Mazzei, na zona norte de São Paulo.

 

Durante diligência pela Avenida Washington Luís, em Santo Amaro, ocupando uma viatura descaracterizada, os investigadores Emerson Luiz de Carvalho e Marcelo Carmo Galdi, ambos do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), flagraram dois homens abordando o motorista de um Ford Focus preto, no semáforo, junto à Rua Belterra. Ao descer da viatura e dar voz de prisão, Emerson foi baleado no ombro e na barriga por um dos criminosos, que também foi ferido e morreu no local. O assaltante não portava documentos; o outro conseguiu fugir. O policial civil continua internado em estado grave no Hospital Regional Sul, onde passou por cirurgia. O caso foi registrado no 11º Distrito Policial, de Santo Amaro.

 

Quase uma hora depois, o capitão Marcelo Barbosa de Oliveira, lotado no 47º Batalhão da Polícia Militar, foi abordado por quatro assaltantes a pé quando chegava em casa com seu veículo, na Rua Lenice Mazzei, na Vila Nova Mazzei, zona norte de São Paulo. Sem saber que a vítima era um policial militar, o grupo tentou levar o carro de Marcelo, que reagiu. Um dos criminosos, F.H.D.S., de 17 anos, foi baleado e morreu quando era atendido no pronto-socorro do Jaçanã. Os outros fugiram sem levar nada. O caso foi encaminhado ao 73º Distrito Policial, do Jaçanã.

 

De acordo com a nova resolução da Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo, todos os casos de resistência seguida de morte terão que ser investigados pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Exame residuográfico é feito nos envolvidos no tiroteio para se saber se realmente os criminosos baleados e mortos chegaram a atirar contra os policiais.

 

A medida foi anunciada no último dia 6, dois dias depois de o Estado divulgar áudio em que uma mulher narra ao Centro de Operações da Polícia Militar uma execução feita por policiais no Cemitério das Palmeiras, em Ferraz de Vasconcelos, Grande São Paulo. A testemunha segue sob proteção da Corregedoria e a Justiça decretou ontem a prisão preventiva dos PMs Ailton Vital da Silva e Filipe Daniel da Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.