Temporal faz Sumaré decretar emergência

O prefeito de Sumaré, José Antonio Bacchin (PT), decretou estado de emergência ontem, após tempestade que matou duas pessoas na noite de sábado. A chuva foi acompanhada por ventos de 130 km/h. A Defesa Civil de Sumaré informou que 300 casas foram danificadas.

TATIANA FÁVARO / SUMARÉ, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2011 | 03h03

Parte da cobertura do pronto-socorro foi levada pelo vento. A unidade está interditada e os pacientes foram transferidos. A Secretaria de Educação fechou até sexta-feira duas escolas de ensino infantil para recuperar os telhados. Já o Departamento de Água e Esgoto disse que o abastecimento de água será normalizado hoje. Domingo, o Corpo de Bombeiros recebeu 50 chamados para tirar árvores de ruas.

Em Paulínia, também no interior paulista, a chuva de sábado danificou a estrutura que estava sendo montada para o Festival SWU. Ninguém se feriu e a organização prometeu contratar pessoal para evitar atrasos. Em Itatinga, a chuva deixou 18 mil moradores sem TV e internet. Em Nova Odessa, cerca de mil ficaram sem aula, por causa do destelhamento de três escolas.

No Paraná. As chuvas também atingiram com força o Paraná neste fim de semana, afetando 134 mil pessoas em 23 municípios, a maioria na região de Foz do Iguaçu, no oeste.

Segundos bombeiros, uma criança de 6 anos foi levada no domingo pela enxurrada em Santo Antônio da Platina. No dia anterior, o temporal causou a queda da lanchonete do comerciante Armindo Villalba Segóvia, de 57 anos, em Foz. Ele morreu no local. /COLABOROU MARCELA BOURROUL GONSALVES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.