Temporal em SP deixa dois mortos nesta quarta-feira, 3

Sobe para 72 o número de vítimas pelas chuvas; Estado tem três cidades em calamidade pública

estadao.com.br,

04 Fevereiro 2010 | 07h21

Devido ao forte volume de água que atingiu a cidade no final da tarde de ontem, a parte da frente do Aeroporto do Campo de Marte ficou alagada. Foto: JB Neto/AE

 

SÃO PAULO - O temporal que teve início por volta das 16h30 desta quarta-feira em São Paulo trouxe transtornos à cidade mais uma vez. Duas pessoas arrastadas pela enxurrada estão desaparecidas e outras duas morreram, elevando para 72 o número de mortos pelas chuvas no Estado desde o dia 1º de dezembro de 2009. Além disso, mais um município decretou estado de calamidade pública; no momento, Cunha, Eldorado e São Luís do Paraitinga estão em calamidade.

 

No acesso à Ponte da Vila Maria, na zona norte, uma árvore caiu sobre um carro por volta das 17h30 e matou Antonio Pereira Lousa, de 74 anos. Ele foi atingido no carro em que estava e chegou a ser encaminhado para o Pronto-Socorro de Vila Maria, mas não resistiu aos ferimentos. Outros três veículos também foram atingidos no acidente, porém, sem maior gravidade. 

 

O boliviano Papin Huascar Vilca, de 24 anos, também morreu na noite desta quarta, ao ser atingido por um raio quando caminhava pela Praça Ilo Otani, próximo da Ponte da Vila Guilherme, no bairro do Pari, região centro-leste da capital paulista.

 

Nenhum parente da vítima havia comparecido no plantão da delegacia do Bom Retiro (2ºDP) até as 3h45 desta quinta-feira, 4. Não se sabe ainda onde o boliviano morava nem a profissão dele.

 

Desaparecidos

 

As equipes de resgate do Corpo de Bombeiros voltaram a procurar na manhã desta quinta-feira, 4, as duas pessoas que desapareceram na noite desta quarta-feira, 3, no Parque Guarani, região de Cidade A.E. Carvalho, na zona leste de São Paulo.

Segundo o Centro de Operações dos Bombeiros (Cobom), uma mulher, de 72 anos, e um menino, de 11 anos, foram levados pela enxurrada após o transbordamento do córrego Jacupeval, que passa pela Avenida Caititu, onde fica a favela Vila Guarani.

 

Segundo a Defesa Civil Municipal, algumas residências localizadas na rua Agreste de Itabaiana, na mesma região, vieram abaixo, mas não houve feridos graves.

 

Bloqueio

 

Em razão de um deslizamento de terra, a pista sentido Marginal do Tietê da Avenida Aricanduva está completamente bloqueada, 700 metros após a Rua Igarapé Azul, próximo da Avenida Rio das Pedras, na região de São Mateus, zona leste.

 

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o desvio no trânsito é feito pela Avenida Afonso de Sampaio e Souza, mas, às 6h35, o congestionamento já chegava a 3,5 quilômetros, trecho entre as avenidas Rio das Pedras e Ragueb Chohfi.

 

Ruas ficam alagadas no bairro do Bom Retiro

 

Alagamento

 

Até a meia-noite, o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) havia registrado 43 pontos de alagamento, 19 intransitáveis. Cinco pontos da Marginal do Tietê ficaram alagados: perto das Pontes Jânio Quadros, das Bandeiras, Aricanduva, Vila Guilherme e no acesso à Via Dutra. As pistas expressa e local foram interditadas, nos dois sentidos. A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, no entanto, contrariou o CGE e afirmou que o Tietê não transbordou.

 

Os 30,1 milímetros de chuva, que vieram depois de um dia quente - a temperatura chegou 33,2°C, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) -, também fizeram extravasar os Córregos Mandaqui, na zona norte, Tiquatira e Aricanduva, zona leste. Os bairros Aricanduva, Penha, Itaquera e Casa Verde ficaram em estado de alerta.

 

O Córrego Aricanduva, usado muitas vezes pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) como exemplo de obra antienchentes, alagou pela segunda vez (a anterior havia sido em 21 de janeiro). Os dois pontos intransitáveis da Avenida Aricanduva estavam no sentido Itaquera.

 

Às 19h30, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrou 129 km de congestionamento na capital. Entre os pontos pelos quais o motorista não conseguia prosseguir estavam a Avenida do Estado, com a Avenida Tiradentes, no centro, e Sumaré, zona oeste.

 

Manifestação

 

Dois ônibus, de prefixos 33900 e 33910, da Viação Itaim Paulista (VIP) Transportes, foram alvo da fúria de cerca de 50 moradores da região atingida pelo transbordamento do córrego. Os coletivos foram parados pelos manifestantes na rua Flor da Esperança. Um dos veículos foi incendiado; o outro, apedrejado. Nenhum passageiro ficou ferido.

 

Transporte

 

O temporal interrompeu o funcionamento das Linhas 11-Coral e 12-Safira da CPTM, entre as Estações Brás e Tatuapé. Os problemas tiveram início por volta das 18 horas. Segundo a CPTM, os usuários dessas linhas foram atendidos pelo Metrô, depois de fazerem integração na Estação Tatuapé (Linha 3-Vermelha) para prosseguir viagem com destino a Guaianases ou Calmon Viana.

 

A Linha 10-Turquesa apresentou diversos pontos de alagamento entre as Estações da Luz e Santo André. A operação desse trecho ficou restrita entre Santo André e Rio Grande da Serra, no ABC paulista.

 

No Metrô, a Estação Jardim São Paulo da Linha 1-Azul, na zona norte, ficou alagada e teve de ser fechada por meia hora, até as 18h30. Às 20 horas, porém, ainda era possível ver lixo e galhos no local. Segundo o Metrô, a água escorreu pela estação, que tem sistema de sucção. A circulação das composições, segundo a empresa, não foi interrompida.

 

A tradutora June Camargo, de 38 anos, saiu da Estação República, na Linha 3-Vermelha, em direção ao Jardim São Paulo. Ela esperou seis trens passarem até conseguir lugar em uma composição. Logo que saiu da Praça da República, disse ela, a água invadia o vagão pelas janelas. Quando chegou ao seu destino, a tradutora viu a estação sendo inundada e muitos passageiros correndo, em pânico. A água chegou à altura do joelho. "As pessoas começaram a se pendurar nas grades. Elas se descontrolaram", afirmou.

 

Na Sé - onde a operação Embarque Melhor teve de ser interrompida até as 20 horas - e na Barra Funda, uma multidão tomou a plataforma de embarque no horário de pico.

 

 

Texto atualizado às 10:23

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.