Rafael Geronimo (@rafael_geronimo)/Instagram/Reprodução
Rafael Geronimo (@rafael_geronimo)/Instagram/Reprodução

Temporais deixam 500 mil sem luz no litoral e estragos no interior

Chuvas fortes com granizo e rajadas de vento ocorreram em vários regiões de SP e derrubaram telhados, árvores e bloquearam rodovia

José Maria Tomazela e Luiz Alexandre Souza Ventura, O Estado de S. Paulo

28 de setembro de 2015 | 09h02

Atualizado às 11h45

SOROCABA - Chuvas fortes com granizo e rajadas de vento espalharam estragos pelo interior e pelo litoral de São Paulo entre a noite de domingo, 27, e a madrugada desta segunda-feira, 28. Pelo menos uma pessoa ficou ferida.

Cerca de 500 mil moradores da Baixada Santista ficaram sem energia em consequência de um temporal na madrugada desta segunda-feira. A chuva acompanhada de rajadas de vento derrubou árvores e destelhou casas. Santos, São Vicente, Praia Grande e Cubatão foram as cidades mais afetadas.

Segundo a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), rajadas de vento e descargas elétricas derrubaram postes, galhos, árvores e outros objetos sobre a rede elétrica. A chuva começou pouco depois de 1h, com muitos raios. A primeira queda de energia ocorreu à 1h25 e durou aproximadamente 30 minutos, mas a luz voltou a cair durante a madrugada e, de acordo com a CPFL, o abastecimento voltou ao normal somente a partir de 6h20, quando ao menos 141 mil pessoas ainda estavam sem luz.

Em nota divulgada às 9h desta segunda-feira, a CPFL informa que o temporal atingiu todo o interior de São Paulo e a região atendida pela CPFL Piratininga (que inclui o litoral paulista) foi a mais prejudicada. 

"A situação climática registrada foi totalmente atípica e atingiu principalmente a Baixada Santista, onde a distribuidora atende as cidades de Santos, São Vicente, Praia Grande, Cubatão e Vicente de Carvalho (Guarujá)", diz a companhia.

Segundo a empresa, a situação já está controlada, com fornecimento de luz restabelecido. No total, a companhia registrou 4 mil casos de falta de energia, em Santos, São Vicente e Praia Grande.

"Toda força de trabalho foi mobilizada para atender hospitais, unidades básicas de saúde, clientes com UTI domiciliar, escolas e equipamentos públicos. A prioridade é retirar árvores de grande porte e objetos que caíram sobre a fiação", explica a CPFL. 

Equipes da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) também atuaram na região. Não há informações sobre pessoas feridas, acidentes de trânsito ou quedas de barreiras em áreas de risco.

Interior. Em Tupi Paulista, oeste do Estado, a queda de uma barreira atingiu as estruturas de uma ponte em obras e causou seu desabamento, na Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294). A rodovia está interditada no km 663, e o trânsito está sendo desviado.

Em Florínea, houve quedas de árvores e destelhamentos de casas e prédios públicos. Em Pauliceia, a queda de uma torre de rádio atingiu o destacamento da Polícia Militar e a prefeitura. O vendaval destelhou a principal igreja da cidade.

Em Itu, o vento arrancou árvores, entortou postes e lançou uma grande caixa de água para o meio da rua. Já em Salto, a estrutura montada para um evento foi levada pelo temporal. Várias árvores caíram e parte da cidade amanheceu sem energia.

Em Cabreúva, pelo menos cinco casas foram destelhadas no distrito do Jacaré. O vento forte arrancou a cobertura de um posto de combustível em Campo Limpo Paulista. Houve queda de árvores e alagamentos em Jundiaí - a cidade ainda tem bairros sem energia.

Já em São Roque e Tapiraí, intensa queda de granizo destruiu telhados e plantações. Em Piracicaba, uma mulher caiu em um buraco aberto pela enxurrada e fraturou uma perna, mas foi resgatada por moradores.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.