Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

'Temos potencial de investimento de US$ 14 bi com concessões e PPPs', diz Alckmin

Em Nova York, governador e Doria buscam interessados em projetos de desestatização do Estado e da capital

Ricardo Leopoldo, Correspondente da Agência Estado

17 Maio 2017 | 15h30

NOVA YORK - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta quarta-feira, 17, em Nova York, que há um potencial de "investimentos de US$ 14 bilhões com concessões e parcerias público-privadas (PPPs) no Estado de São Paulo". "Tiramos exigência de atestado técnico para fazer obras de rodovias", comentou.

Alckmin destacou que investimentos do setor privado são atraentes no Estado porque, entre outros fatores, a qualidade dos ativos é boa.

"Temos também um novo momento no Brasil, com confiança no futuro do País", destacou.

Na terça-feira, 16, o governador ressaltou que já há recuperação do nível de atividade no Brasil e citou a alta de 1,12% do Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) no primeiro trimestre na margem.

"Dia 5 de julho, vamos abrir edital da Linha 5 para metrô", apontou, ao acrescentar que o mesmo ocorrerá naquela data para a Linha 17 do monotrilho. "Infraestrutura gera muitos empregos. Por isso que aqui nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump quer investimentos."

O governador lembrou que três linhas de metrô serão concedidas à iniciativa privada. "A 5, 15 e 17. Teremos investimentos de R$ 2,7 bilhões no sistema de trens em São Paulo." 

Oportunidades. Também em Nova York, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que ele e o governador Alckmin estão nos Estados Unidos para mostrar "oportunidades de investimentos" tanto no Estado como na capital paulista. "Sabemos apresentar programas de privatização. Não temos vergonha disso", comentou Doria.

O prefeito elogiou os serviços públicos que Alckmin tem prestado ao Estado, com quem manifestou ter uma inabalável união. "Precisamos ter destreza, coragem e qualidades que o governador Alckmin tem de sobra", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.