Temor de rebelião diminui visitas ao presídio de Presidente Venceslau

Segundo agentes de segurança da penitenciária, movimento se reduziu pela metade

Chico Siqueira, especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

01 de março de 2014 | 19h55

PRESIDENTE VENCESLAU - O movimento de familiares de presos na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, no interior paulista, caiu pela metade neste sábado, 1º, de acordo com os agentes penitenciários. A queda foi causada em parte pelo medo de uma rebelião no presídio e pelo intenso aparato policial demonstrado durante as visitas no final de semana anterior.

“Conheço duas amigas que viriam, mas ficaram com medo, porque tem muita polícia por aqui e elas temiam que ocorresse algum distúrbio”, disse uma mulher que se identificou por Luana e visitava o namorado.

Mesmo com a redução do número de visitantes, os agentes apertaram as revistas e até atrasaram a entrada de algumas pessoas. Três mulheres foram barradas pelo detector de metal, mas a Polícia Militar disse que nada foi encontrado com elas.

Apesar do clima, à tarde, ao deixarem a unidade depois das visitas, mulheres dos presos afirmaram que a situação dentro do presídio é de tranquilidade. Bem diferente das declarações que elas deram pela manhã, ao entrar, de que temiam a ocorrência de uma possível rebelião causada pela transferência de líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) e que isso levasse a um novo Carandiru – uma alusão ao massacre de 111 presos em 1992.

Na P-2 de Venceslau estão detidos os principais líderes do PCC, como Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, e era onde estava sendo planejado um audacioso plano de fuga com uso de helicópteros, conforme revelou o estado.com.br no dia 26. Para punir os detentos, o governo do Estado pediu a remoção de quatro líderes do PCC para o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), de Presidente Bernardes.

“Está tudo em paz, o pessoal nem sabia o que estava se passando aqui fora”, disseram algumas visitantes. “Essas notícias de perigo de rebelião e de plano de fuga com helicóptero é coisa da mídia”, disse outra. Apesar disso, o esquema de segurança do lado de fora do presídio, reforçado desde domingo passado, quando as forças de segurança se postaram para evitar que o plano de fuga fosse colocado em prática, continuava.

No sábado as visitam seguem, desta vez às alas do presídio onde estão as principais lideranças do PCC, entre elas, o próprio Marcola e outros que participariam da fuga. Segundo uma visitante, eles estariam esperando conversar com familiares para decidir os próximos passos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.