Tema motivou passeata

Há dez dias, cerca de 500 pessoas fizeram uma passeata pelos pontos mais escuros e desertos da Cidade Universitária. Com bexigas brancas, lanternas e velas, o evento foi batizado de "Passeata das Lanternas". Alunos, professores e funcionários caminharam durante duas horas para protestar contra a falta de segurança no câmpus e para exigir melhor iluminação.

O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2011 | 03h02

Entre gritos de guerra como "PM não, iluminação", a manifestação seguiu por um trajeto escuro, que incluiu o IME, estacionamentos da Poli e da FEA, Psicologia, Praça do Relógio e duas das vias mais escuras da USP: Ruas do Lago e do Matão.

O evento foi organizado pelos alunos do curso noturno de Design, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Desde outubro, parte dos estudantes também se mobiliza contra a presença da PM no câmpus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.