Tem mais que xingar!

Dessa vez, Dunga não tem nada que pedir desculpas a ninguém. Qualquer um, no lugar dele, já há quase 48 horas sem falar palavrão, perderia as estribeiras no jogo de ontem, contra Portugal, se pudesse se fazer ouvir pelos jogadores dentro de campo no belo estádio de Durban. Uma seleção com Felipe Melo, Júlio Baptista, Gilberto Silva e Michel Bastos, francamente, tira qualquer um do sério.

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2010 | 00h00

Atire a primeira pedra quem não disse nome feio a cada botinada ou passe errado de uns e outros, indistintamente. Éramos 190 milhões de brasileiros fazendo coro com o técnico, aos berros, quando entrou Josué no lugar de Felipe Melo. Aí deu vontade de chorar! Foi bom que acalmou o pessoal até mais ou menos os 10 minutos do segundo tempo, quando Dunga voltou a animar a torcida com sua impaciência corporal contagiante.

No final, estávamos todos deprimidos com o espetáculo, mas com a consciência do dever cumprido: o Brasil classificou-se em primeiro do grupo, garantindo o feriadão de segunda-feira, quando a seleção volta a campo. Se precisar xingar esse time de novo na fase do mata-mata, Dunga sabe que pode contar com o torcedor. Quem leva desaforo pra casa é jornalista.

Entre as pernas

A Fifa deve estar incomodada com o merchandising da Honda nas costas do craque da seleção do Japão. Não imaginava que os asiáticos fossem tão longe na Copa, e muito menos que o camisa 18, Keisuke Honda, jogasse tanta bola. Como se não bastasse ser japonês, o cara é louro!

Sorria!

Depois da Copa, tem Cleo Pires na Playboy. Periga ser a melhor pelada do ano.

Pátria de brahmeiros

Pesquisa do Ministério da Saúde em parceria com a USP concluiu que quase metade dos brasileiros está acima do peso. Isso quer dizer o seguinte: o torcedor reclama de barriga cheia da silhueta de Ronaldo Fenômeno!

Superstição desafiada

Não se mexe em time que está ganhando: Robinho não tinha nada de raspar a barba que vinha cultivando desde que chegou à África do Sul. Resultado: Pela primeira vez o Brasil entrou em campo nesta Copa e não venceu.

São Joel

Para se ter uma ideia da popularidade crescente do futebol nos EUA, antes de optar por uma solução doméstica no Afeganistão, Barack Obama chegou a cogitar o nome de Joel Santana para comandar as tropas americanas de ocupação. É especialidade do técnico ganhar batalhas que parecem perdidas.

Não é mais aquele!

O que faz o jornalista José Trajano, diretor da ESPN Brasil, que não reclama de nada na África do Sul? Copa do Mundo sem suas broncas na TV não tem graça nenhuma.

Copa Fashion Week

Afora as chuteiras, que outra peça do vestuário masculino permite combinar lilás com laranja?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.