DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Tem alguma árvore no seu bairro com poda irregular?

Reportagem do Estado apresenta denúncias de moradores da zona oeste de SP; mande também seu relato para o WhatsApp (11) 97069-8639

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2019 | 11h00

SÃO PAULO - Moradores da Lapa e do Butantã, na zona oeste paulistana, têm denunciado podas irregulares de árvores da região. A partir de relatos de leitores do Estado, reportagem reuniu ocorrências das últimas três semanas

“Todos notaram. Só deixam o tronco pela metade”, diz a vendedora Gisbele Franco, de 50 anos, que cresceu na Vila Romana. Moradores criaram o grupo Luta pela Preservação das Árvores – Vila Romana, no Facebook, para denunciar o “extermínio das árvores”. 

Há registros ainda na Vila Ipojuca, Lapa de Baixo, Pompeia, Perdizes e Butantã. Outra queixa de moradores é de demora para retirar galhos. No Butantã, por exemplo, há galhos empilhados há dias em volta de troncos que foram cortados. 

“Não sou especialista, mas convivemos com podas. Agora está muito radical. Não estão cortando somente galhos”, reclama a designer Deborah Marson, de 46 anos, sobre cortes feitos na Rua Coriolano, na Vila Romana. 

No seu bairro tem alguma árvore que foi podada irregularmente? Mande seu relato por WhatsApp para (11)97069-8639.

Posicionamentos

A Prefeitura de São Paulo vai multar a Enel, concessionária de fornecimento de energia elétrica, pela poda irregular de árvores. O Município disse não ter sido comunicado em tempo hábil pela empresa sobre a remoção e acrescentou que puniria a Enel por ter realizado poda drástica. Confira como funciona o serviço.

Já a Enel informou, por meio de nota, seguir as “diretrizes de manuais de podas, elaborados por engenheiros florestais e agrônomos, com procedimentos que respeitam as características das árvores e as técnicas de poda”. Ainda segundo a concessionária de energia, uma força-tarefa foi montada para atender demandas da Prefeitura para remover árvores perto de fiação elétrica. 

Cortes de galhos mal feitos são mutilações, diz especialista

Não há dúvidas sobre os benefícios ao meio ambiente e à saúde da população que as árvores proporcionam, principalmente em áreas densamente urbanizadas.

Para o botânico Ricardo Cardim, a situação é um absurdo e podas malfeitas podem ser "mutilações", além de causar problemas. Os galhos grandes cortados, segundo ele, “dificilmente vão cicatrizar, antes de serem contaminados por cupins, fungos”. 

Outros riscos do corte indiscriminado de árvores, alerta o especialista, são mais riscos de acidentes nas ruas, aumento da temperatura urbana, redução de chuvas, piora da qualidade do ar e até mudanças na quantidade de pássaros. "A poda de formação, a correta, é principalmente cortar galhos ainda jovens, menores que 5 centímetros de diâmetro, que são facilmente cicatrizadas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.