Telefone mudo e prejuízo

BAGUNÇA E DESCASO DA NET

O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2013 | 02h02

O ditado O barato sai caro é perfeito para a NET, que oferece, ironicamente, um serviço "tipo NET". Troquei o Speedy e os telefones pela NET e, desde então, só tive problemas. Estou tendo prejuízo diariamente porque o telefone fica mudo e, com isso, as máquinas de cartão de crédito da loja não funcionam. Perdi vendas o tempo todo em pleno mês de dezembro! A bagunça na NET e o descaso com o consumidor são tão grandes que liguei pedindo um técnico e a atendente disse que a instalação não constava no sistema. Ora, faz duas semanas que instalaram tudo e o sistema permanece desatualizado? E quem arca com o prejuízo das vendas perdidas, já que praticamente 100% dos pagamentos na loja são feitos com cartão de crédito e débito?

MARIANGELA RUSSI BLOIS / SÃO PAULO

A NET informa que, após atendimento técnico realizado no estabelecimento da cliente, a questão foi solucionada.

A leitora contesta: O problema não foi resolvido. Enviaram um técnico, que falou que o problema era a incompatibilidade da NET com as máquinas de cartão que, segundo ele, deveriam ser antigas. Claro, o primeiro passo é pôr a culpa em algo que não seja a NET. Ocorre que a mensagem que aparece é sem tom de discagem. Ou seja, tem a ver com o telefone! Expliquei que, além de as máquinas serem novas (por coincidência, foram trocadas no mês passado), se houvesse tal incompatibilidade, os cartões não passariam nunca. Aí o técnico disse que máquinas de cartão não eram a área dele!

TELEFÔNICA/VIVO

Um mês sem telefone

Na última semana de novembro completei um mês sem telefone em casa. A Telefônica/Vivo é uma vergonha! Prova inconteste de que o monopólio faz mal ao mercado, ao País e, principalmente, aos consumidores, que se tornam reféns de empresas que não têm o menor respeito pelos seus clientes. Abri vários pedidos na Anatel e a Telefônica/Vivo simplesmente não se pronuncia! A cada ligação para o SAC, ouço uma história completamente diferente e descabida. A despeito do mês sem acesso à internet e à linha residencial propriamente dita, as contas têm chegado corretamente, com todos os serviços contratados cobrados.

JOSÉ RICARDO NORONHA

/ SANTANA DE PARNAÍBA

A Telefônica/Vivo informa que a situação do leitor está em acompanhamento pela área responsável.

O leitor reclama: Permanecemos sem telefone. Já nos fizeram pintar a caixa do telefone de duas cores diferentes, alegando que o serviço somente poderia ser realizado depois dessa pintura. Já disseram que precisaríamos instalar um poste em frente de casa, o que é absolutamente proibido no condomínio, que tem toda a fiação subterrânea.

MICROEMPREENDEDOR

Cadastro não sai

Em agosto resolvi me cadastrar no Microempreendedor Individual (MEI) como confeiteira. Após preencher no site todos os formulários necessários, recebi um número de CNPJ. Porém, todo o processo não gerou o Cadastro de Contribuintes Mobiliários (CCM) emitido pela Prefeitura de São Paulo. Com isso, embora eu tenha o CNPJ e tenha arcado com todos os impostos, meu pequeno negócio não foi regularizado. Procurei o Centro de Apoio ao Trabalho (CAT) Santana, onde tive parcas informações. Após muitas idas ao local, finalmente disseram que o CCM não estava sendo gerado por causa de um problema no sistema da Prefeitura. Orientada pelo Sebrae, procurei a Secretaria do Microempreendedor Individual (Semei) da Prefeitura e, novamente, disseram que havia um problema no sistema que impossibilitava o cadastramento de confeiteiros e que isso dependia de solução da Prodam, sem data para ocorrer. Sendo o MEI tão amplamente divulgado e havendo uma secretaria que deveria colaborar para reduzir a burocracia legada ao microempreendedor, por que até agora não consegui a formalização almejada? Por que a Prefeitura não consegue dar um prazo para resolução do problema? Há 4 meses tenho um CNPJ e há 4 meses já posso pagar impostos, mas há 4 meses não consigo ser beneficiada com a formalização do negócio.

MARIA ALZIRA LAURITO

/ SÃO PAULO

A Secretaria do Microempreendedor Individual não respondeu.

A leitora informa: Infelizmente, o problema persiste. Não deram nenhuma resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.