Wilton Junior/AE–12/7/2011
Wilton Junior/AE–12/7/2011

Teleférico do alemão atrai 100 mil em 6 dias

Na segunda-feira, horário vai das 7h ao meio-dia

Pedro Dantas / RIO, O Estado de S.Paulo

16 Julho 2011 | 00h00

Um meio de transporte com jeito de parque de diversões gratuito. Crianças, adolescentes e famílias do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, aderiram ao teleférico, que liga o conjunto de favelas ao bairro de Bonsucesso, e superaram as expectativas de público. Nos primeiros seis dias, quase 100 mil pessoas visitaram a atração - exatas 99.500.

O pico foi na quarta-feira, quando 26.757 passageiros circularam no teleférico. A concessionária Supervia informou que vai concentrar o atendimento na parte da manhã, na segunda semana de testes, para favorecer o trabalhador que sai cedo de casa. O teleférico funcionará durante cinco horas diárias, de 7h às 12h, a partir de segunda-feira, e não mais quatro horas, divididas entre o turno da manhã e da tarde.

Na última terça-feira pela manhã, as filas se repetiram, com muitas pessoas na espera pelo passeio entre as cinco estações do conjunto de favelas. "Esperei pelo menos meia hora em uma fila com 250 pessoas para embarcar no Morro do Alemão até a Estação Bonsucesso. Novidade sempre atrai as pessoas, mas não esperava tanta gente e até crianças sozinhas nas gôndolas", disse Márcio Maia, de 33 anos, coordenador da Central Única de Favelas (Cufa).

O estudante Renato Silva, de 15 anos, estava sem fôlego depois do passeio da Estação Morro do Adeus até a Estação Fazendinha. "Impressionante. Eu vi o (Estádio do) Engenhão e a Igreja da Penha. Acho que muitos turistas vão aparecer por aqui", opinou.

A moradora Nathalia Menezes, de 23 anos, que mantém o projeto Descolando Ideais, confirma as expectativas do menino. "Já tivemos contato com holandeses e alemães interessados em conhecer o Complexo do Alemão e, claro, a novidade do teleférico. Acho que a Supervia só precisa orientar melhor o morador para evitar vandalismos", disse Nathalia. Ela se referia ao incidente causado por uma brincadeira entre crianças que deixou o vidro da Estação Itararé trincado.

Desacato. O Ministério Público Militar informou que, nos últimos dez dias, os procuradores ofereceram nove denúncias e duas alegações escritas referentes a crimes de desobediência ou desacato praticados por moradores do Alemão. Em todos os casos, os inquéritos envolveram civis que reagiram com violência após a abordagem e revista pelo Exército.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.