Tédio no trem se torna arte

André Ricardo encontra inspiração nas viagens de 40 minutos na Linha 9-Esmeralda da CPTM

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2011 | 00h00

Diariamente, ele usa a arte para vencer o tédio - e o empurra-empurra, a superlotação e a pressa - das viagens de trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O artista André Ricardo, de 26 anos, já acumula cinco caderninhos com desenhos de passageiros de trem: gente dormindo, gente empurrando ou sendo empurrada, gente alheia a tudo - ligada só no fone de ouvido.

O resultado desse trabalho pode ser conferido até sábado na exposição Comboio Ferroviário, no Conjunto Nacional. "É minha primeira exposição individual", diz o estudante do último semestre em bacharelado em Pintura da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Os percursos diários nos vagões da CPTM não se tratam apenas de matéria-prima para sua arte. André mora no bairro do Rio Bonito, perto do Grajaú, e vai de trem para a Cidade Universitária pela Linha 9-Esmeralda. Anda 20 minutos até a Estação Primavera-Interlagos. Dali são cerca de 40 minutos - que ele costuma passar desenhando, mesmo de pé, equilibrando-se entre um rabisco e outro.

"Em geral, as pessoas estão dormindo ou muito distraídas. Nem percebem que eu estou desenhando o ambiente. Isso me possibilita ter modelos presentes sem ser notado." Ninguém reclama por ter sido retratado. "Os raros que percebem geralmente sorriem. Alguns pedem para ver o desenho."

Carreira. Ele estima ter feito cerca de 200 desenhos de 2008 para cá. Convidado para expor suas obras no térro do Conjunto Nacional, selecionou dez e os transformou em gravuras metálicas.

André já participou de várias exposições coletivas na cidade de São Paulo, no interior paulista e em outras capitais estaduais. No ano passado, ganhou uma bolsa de estudos e passou um semestre na Faculdades de Belas Artes da Universidade do Porto, em Portugal. Lá, teve seu trabalho exposto em duas mostras. Também em 2010, recebeu o prêmio de aquisição no 38.° Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto (Santo André) e o prêmio de primeiro colocado na 18.° Programa Visualidade Nascente, organizado pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da USP, entre outros.

Em seu blog pessoal (http://andrericardo10.blogspot.com), André exibe alguns de seus trabalhos. Entre eles, uma série de imagens de caçambas de lixo - outra obsessão urbana do artista que vai de trem.

Serviço

EXPOSIÇÃO COMBOIO

FERROVIÁRIO: ATÉ SÁBADO.

HORÁRIO: DAS 7H ÀS 22H.

LOCAL: ESPAÇO CULTURAL DO CONJUNTO NACIONAL, AVENIDA PAULISTA, 2.073, TÉRREO, JARDIM PAULISTA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.