Tecelão é morto na frente da família, após resvalo em carro

Após um incidente simples de trânsito, numa estrada de terra, o tecelão Airton Fernandes dos Santos, de 45 anos, acabou morto a tiros diante da família. O caso ocorreu no domingo em Suzano, na Grande São Paulo, e o autor dos disparos foi um mecânico do Metrô, de 50 anos, que mora na capital paulista.

Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2010 | 00h00

Por volta das 22h30, o tecelão, a mulher dele e os cinco filhos, com idade entre 10 e 16 anos, seguiam numa Brasília pela estrada de terra Quarta Divisão. O destino era Mauá, onde participariam de uma festa. Na altura do 1.250 da via, o carro encostou no Uno do mecânico, que trafegava no sentido contrário.

"Os veículos resvalaram um no outro porque a passagem é estreita", afirmou o delegado Fátimo Aparecido Rodrigues, responsável pela investigação. "O autor não esperou que a vítima saísse primeiro do local e passou junto." Após o choque, o Uno fez o retorno e passou a perseguir a família. O mecânico sacou uma pistola 380 e atirou contra o veículo.

Uma das balas feriu Airton Fernandes Júnior, de 14 anos, nas costas. O filho do casal viajava deitado sobre o tampão do motor da Brasília. Santos decidiu, então, parar o veículo, já num ponto onde a estrada tem mais iluminação. "Ele saiu com as mãos erguidas e implorando para que o homem não atirasse", disse o policial.

O mecânico atirou, atingindo Santos no coração e no pulmão. Ele morreu na hora. O assassino, que estava acompanhado por uma mulher, fugiu.

Foto. A polícia só o identificou por meio de reconhecimento fotográfico. O nome do acusado, que teve a prisão solicitada ontem à Justiça, foi mantido em sigilo. Ele tem passagem na polícia por envolvimento num acidente de trânsito em 1986.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.