Teatro de Dança é transferido para local em reforma

Secretaria de Cultura manda projeto para Teatro Sérgio Cardoso, que está fechado para obras, e levanta críticas no meio artístico

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2011 | 00h00

A Secretaria de Estado da Cultura anunciou que vai encerrar as atividades do Teatro de Dança. O projeto, que ocupava desde abril de 2006 o teatro do Edifício Itália, no centro paulistano, deve ser encerrado no dia 2. A notícia provocou reações da classe artística, que deve reunir-se na sexta-feira, às 18 horas, na Câmara Municipal. Também já circula um manifesto na internet sobre a mudança.

Segundo o secretário de Cultura, Andrea Matarazzo, trata-se apenas de interrupção temporária, motivada pelas más condições da sala. "Recebíamos muitas reclamações, tanto do público quanto dos artistas", diz Matarazzo, prometendo a transferência do programa para o Teatro Sérgio Cardoso, na Bela Vista, que está fechado para reforma e só deve reabrir em agosto.

"Temos a impressão de que isso serviu apenas como desculpa. Além disso, eles estão propondo a transferência para o Sérgio Cardoso, mas o teatro está fechado", comenta Marina Hohne, secretária executiva da Cooperativa Paulista de Dança, responsável pela programação. Segundo Gal Martins, vice-presidente da entidade, a sala realmente sofria com vazamentos e cheiro ruim, mas a cooperativa não concorda com a mudança.

Outra queixa da Cooperativa de Dança é a falta de tempo para se adequar às mudanças. Mesmo apresentações que já estavam confirmadas para o espaço tiveram de ser canceladas. "Não tivemos nenhum prazo para avisar as pessoas", diz Gal Martins.

Para ela, o espaço que será destinado a eles no Teatro Sergio Cardoso - a sala Paschoal Carlos Magno - também não é adequado. "Existe toda uma estrutura específica para dança, como tamanho do palco, iluminação, que essa sala não tem."

Contrato. Matarazzo diz que não pôde fazer as obras necessárias, porque a sala no Edifício Itália é alugada. "Como o proprietário se recusou a fazer as reformas necessárias, o contrato que vencia neste mês não foi renovado", explica o secretário, com a ressalva de que não tem intenção de interromper o projeto de dança, que recebe verba anual de R$ 2 milhões.

Mas Giuseppe Cappellano, presidente do Circolo Italiano, dono do teatro, foi pego de surpresa pela notícia. "Temos (hoje) reunião com a secretaria para discutir a renovação do contrato." / COLABOROU VALÉRIA FRANÇA

REAÇÕES

Marina Hohne

Secretária executiva da Cooperativa de Dança

"Com essa interrupção, a coisa (o projeto) pode morrer."

Gal Martins

Vice-presidente do órgão

"Tivemos de desmarcar toda a programação."

Andrea Matarazzo

Secretário de Cultura

"Estamos zelando pelo dinheiro público."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.