Teatro de área à venda no Itaim será reaberto

Moradores prometem manifestação; Kassab quer trocar terreno pela construção de creches

Fábio Mazzitelli, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2011 | 00h00

A gestão do prefeito Gilberto Kassab (sem partido) vai reinaugurar na sexta-feira, com um show musical, o teatro que propõe demolir daqui a alguns meses, no quarteirão posto à venda no Itaim-Bibi, zona sul da capital.

Desativado há dois anos e sete meses, o Teatro Décio de Almeida Prado é um dos oito equipamentos públicos abrigados no quarteirão de 20 mil metros quadrados localizado em um dos bairros mais valorizados da cidade. A Prefeitura aprovou a alienação (transferência de bens) da área à iniciativa privada em troca da construção de creches públicas na periferia.

O projeto é contestado no Ministério Público e sofre resistência de moradores do bairro. Um pedido de tombamento da área tramita no Condephaat, órgão de preservação do patrimônio histórico do Estado.

O Grupo de Memórias do Itaim-Bibi promete aproveitar a reabertura do teatro para organizar uma manifestação contra a venda do quarteirão. Para as 19h da sexta, está programada a apresentação da cantora Graziela Medori. Na reabertura do teatro, a Secretaria Municipal de Cultura fechou uma programação de shows gratuitos até o fim de agosto, sempre às sextas, sábados e domingos. "É um teatro que já devia ter sido aberto há muito tempo", afirma o professor Helcias Bernardo de Pádua, um dos porta-vozes dos moradores.

Reforma. A reabertura do teatro distrital do Itaim-Bibi, de fato, atrasou. O plano inicial da secretaria era reabri-lo em 2009, mas a primeira reforma terminou em problemas estruturais. Na segunda reforma, foram gastos R$ 367 mil - os valores da intervenção anterior não foram informados ontem pela pasta.

Segundo a gestão Kassab, a reabertura do teatro faz parte da política de investir na requalificação dos equipamentos públicos e a transferência da área, ainda sem data, "é uma decisão de governo, respaldada pela Câmara", que a secretaria "acatou ao propor que esse patrimônio cultural fosse multiplicado" ao se deslocar para a periferia.

No quarteirão, além do teatro, funcionam três escolas, um posto de saúde, um Centros de Atenção Psicossocial (Caps), uma biblioteca e uma Apae. Segundo a Prefeitura, só parte desses equipamentos seria reconstruída em uma área reduzida de até 25% do quarteirão. O resto iria para a iniciativa privada.

 

Veja o voto de cada vereador sobre a transferência da área:

 

VEREADORES

PARTIDOS

VOTOS

Abou Anni

PV

Sim

Adilson Amadeu

PTB

Não

Adolfo Quintas

PSDB

Sim

Agnaldo Timóteo

PR

Sim

Alfredinho

PT

Não

Antonio Carlos Rodrigues

PR

Sim

Arselino Tatto

PT

Não

Atílio Francisco

PRB

Sim

Aurelio Miguel

PR

Não

Aurélio Nomura

PV

Não votou

Carlos Apolinario

DEM

Sim

Carlos Neder

PT

Não

Celso Jatene

PTB

Não

Chico Macena

PT

Não

Claudinho

PSDB

Sim

Claudio Fonseca

PPS

Sim

Claudio Prado

PDT

Sim

Dalton Silvano

S/ PARTIDO

Sim

David Soares

PSC

Sim

Domingos Dissei

DEM

Sim

Donato

PT

Não

Edir Sales

DEM

Sim

Eliseu Gabriel

PSB

Não

Everson Marcos de Oliveira

PSDB

Sim

Francisco Chagas

PT

Não

Gilson Barreto

PSDB

Sim

Goulart

PMDB

Sim

Ítalo Cardoso

PT

Não

Jamil Murad

PCdoB

Sim

José Américo

PT

Não votou

José Ferreira (Zelão)

PT

Não

José Police Neto

S/ PARTIDO

Sim

José Rolim

PSDB

Sim

Juliana Cardoso

PT

Não

Juscelino Gadelha

S/ PARTIDO

Sim

Marco Aurélio Cunha

DEM

Não

Marta Costa

DEM

Sim

Milton Ferreira

PPS

Sim

Milton Leite

DEM

Sim

Natalini

S/ PARTIDO

Sim

Netinho de Paula

PCdoB

Sim

Noemi Nonato

PSB

Sim

Paulo Frange

PTB

Sim

Quito Formiga

PR

Abstenção

Roberto Tripoli

PV

Sim

Russomano

PP

Não votou

Salomão

PSDB

Sim

Sandra Tadeu

DEM

Sim

Senival Moura

PT

Não

Souza Santos

S/ PARTIDO

Sim

Tião Farias

PSDB

Não

Toninho Paiva

PR

Sim

Ushitaro Kamia

DEM

Sim

Victor Kobayashi

PSDB

Sim

Wadih Mutran

PP

Sim

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.