Taxistas salvam bebê levado em carro

Ladrão aproveitou desatenção da mãe e da avó para roubar veículo em Curitiba; aviso pelo rádio facilitou resgate de menino de 3 meses

Evandro Fadel, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2011 | 00h00

A mobilização de taxistas salvou um bebê de 3 meses que havia sido levado por um bandido em um carro roubado, ontem de manhã, em Curitiba. Uma distração da mãe da criança, Sandra da Silva Fernandes, de 28 anos, e da avó permitiu que um rapaz roubasse o veículo que elas ocupavam. O menino Artur estava no banco traseiro. Vinte minutos depois, um taxista encontrou a criança, deixada na cadeirinha em uma calçada.

O pai do menino, Eliandro da Silva Fernandes, de 33 anos, já havia saído para trabalhar em uma empresa de entrega de gás, quando Sandra, que é promotora de vendas e estava na casa da sogra, retornou com ela e com o bebê no Chevrolet Zafira que pertence ao pai de Eliandro. Era por volta das 9h. Foram buscar uma fotografia da filha mais velha do casal, de 3 anos. A menina havia ficado na escola.

O carro estava a cerca de cinco metros da porta da casa, com a chave na ignição. Sandra desceu e a avó, que ficou com o bebê, lembrou-se de pegar uma roupa para a menina. Ela saiu do carro e foi até a porta.

Foi quando escutou alguém ligando o veículo e saindo de ré. As duas passaram a gritar. "Foi um desespero, uma sensação de perda, é pior que se tivesse morrido", disse Sandra.

Ela saiu correndo e viu quando a Zafira dobrava a esquina. Naquele momento, um taxista, que preferiu não ter o nome divulgado, atendia a um chamado em uma casa próxima. "Ela veio correndo e disse que tinham acabado de levar o filho dela e era para seguir o carro", afirmou. "Eu deixei a outra corrida." No entanto, logo perdeu o carro de vista. Restou passar o aviso, pelo rádio, para os colegas da Associação Rádio Táxi Curitiba.

Outro taxista avistou a Zafira parada perto de um posto de saúde. Ele acelerou para tentar uma interceptação, mas percebeu que o motorista estava armado. Por isso, resolveu descer um pouco mais a rua e viu que a cadeirinha com o bebê havia sido deixada na calçada.

O ladrão fugiu com o carro - que não havia sido encontrado até a noite de ontem.

Eliandro foi avisado pela mulher. "Eu não conseguia ligar a moto, esqueci como se fazia." Segundo ele, o rapaz que levou o carro andava pela redondeza havia ao menos três dias, provavelmente, diz, para estudar a rotina da família. Ele chegou a oferecer celulares e secadores de cabelo, que estaria vendendo. Pela manhã, antes do roubo, ele foi visto em um orelhão perto da casa.

Lágrimas. Por volta das 13 horas, Sandra já se declarava "bem mais tranquila", apesar de pedir um remédio para dor de cabeça. Ela disse que não acreditou quando ouviu a mensagem pelo rádio do táxi, dizendo que o bebê estava em segurança. Mesmo assim, não conseguia conter as lágrimas ao contar a história.

PRESTE ATENÇÃO...

1. Em um assalto, fique calmo e não faça movimentos bruscos. Evite gritar ou discutir, pois o nervosismo pode provocar uma reação agressiva do criminoso.

2. Evite parar o carro em locais ermos e, ao colocar a criança na cadeirinha, não fique muito tempo com o veículo parado na via.

3. Ao chegar em casa, verifique se não há estranhos na rua. Se houver, não pare.

4. Ao descer ou entrar no veículo, também esteja atento e verifique se não é observado. Se desconfiar, avise seus familiares e chame a PM.

5. Avalie se o seu carro não é um chamariz para assaltantes e instale dispositivos de segurança: eles inibem a ação de ladrões.

6. Não pare para ajudar motoristas em locais isolados e desconfie de pequenas batidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.