Taxista morre após ser assaltado, amarrado e jogado vivo em rio

Crime chocou Ribeirão Bonito (SP). Acusados são três menores que temiam ser reconhecidos pela vítima

Sandro Villar, O Estado de S. Paulo

13 Março 2014 | 23h39

PRESIDENTE PRUDENTE - Depois de ser agredido por três menores de idade, armados com facas, o taxista José Carlos de Bodas, de 59 anos, foi amarrado pelas mãos com uma corda e jogado vivo dentro de um rio em Ribeirão Bonito, no interior paulista. O corpo foi resgatado pelos bombeiros a 50 metros do local da queda.

O crime aconteceu na tarde desta quinta-feira, 13, quando os criminosos pediram ao taxista para levá-los a uma fazenda da região. O taxista dirigiu pela Rodovia Luis Augusto de Oliveira (SP-215) e, em seguida, entrou em uma estrada de terra, a pedido dos menores

Após roubar uma quantia de dinheiro não revelada, os assaltantes, que também queriam ficar com o carro, jogaram Bodas no rio. Ele despencou de uma ponte a uma altura de 6 metros. A vítima conseguiu desamarrar as mãos, mas não resistiu aos ferimentos sofridos durante a queda. O corpo foi resgatado pelos bombeiros no fim da tarde a 50 metros da ponte.

Alertada por testemunhas, que viram o taxista ser agredido ainda na cidade, a Polícia Militar apreendeu dois dos três adolescentes, um de 17 anos e o outro de 15. O terceiro acusado está foragido. Depois do crime, o táxi foi encontrado em um bairro de São Carlos.

Reconhecimento. Um dos ladrões disse a um policial militar que, além do dinheiro, também queriam roubar o táxi e que mataram a vítima porque temiam ser reconhecidos. O crime chocou a PM pela brutalidade dos assassinos. 

Mais conteúdo sobre:
Assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.