Nivaldo Lima/Futura Press
Nivaldo Lima/Futura Press

Taxista é morto por policial civil durante briga no Itaim Bibi

Os dois teriam discutido e trocado tiros após o agente 'fechar' o carro do motorista; caso aconteceu na Rua Joaquim Floriano na madrugada

Felipe Cordeiro, Marcel Hartmann e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S. Paulo

04 Novembro 2016 | 10h22
Atualizado 04 Novembro 2016 | 13h15

SÃO PAULO - Um taxista morreu na madrugada desta sexta-feira, 4, após se envolver em uma briga com um policial civil no Itaim Bibi, na zona sul de São Paulo. Os dois teriam entrado em confronto após o agente de segurança "fechar" o carro do motorista.

Segundo a Polícia Militar, o policial alvejou o taxista com uma arma de fogo. O caso aconteceu por volta da 1 hora na esquina das Ruas Joaquim Floriano e Clodomiro Amazonas, próximo à padaria Dona Deôla.

De acordo com informações preliminares, o taxista teria se irritado com a manobra do policial, sacado uma arma e atirado em direção ao agente. O policial reagiu e disparou duas vezes - as balas atingiram o peito e o pescoço do motorista.

A PM informou que o taxista foi socorrido ao Hospital das Clínicas, na zona oeste, mas não resistiu aos ferimentos.

Em entrevista ao Bom Dia São Paulo, da TV Globo, o pai da vítima afirmou que o filho não tinha uma arma, não tinha passagens pela polícia e que não teria como atirar no policial, uma vez que foi baleado ainda dentro do carro. 

O policial foi ouvido no 14º Distrito Policial (Pinheiros), onde o caso foi registrado, e liberado. 

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo informou que o 15° DP (Itaim Bibi), responsável pela área, investiga a ocorrência. "Policiais da unidade estão em busca de imagens de câmeras de segurança que tenham capturado a ação e auxiliem nas investigações. As armas do taxista e do policial civil foram apreendidas e encaminhadas para perícia. Foi realizado exame residuográfico nos envolvidos e os veículos foram periciados e entregues aos responsáveis", declarou.

A pasta acrescentou que a Corregedoria da Polícia Civil acompanhou o registro da ocorrência e também abrirá apuração preliminar para investigar o caso.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.