Táxi para fugir da multa

Motorista que esqueceu de agendar inspeção deixa carro na garagem para escapar da fiscalização

, O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2010 | 00h00

Ontem foi um dia atípico para o vendedor autônomo Luiz Gonzaga Souza, de 67 anos. Por ter deixado a inspeção veicular de seu carro para a última hora, ele não conseguiu passar pela vistoria antes das multas começarem a valer. Para não ser pego por um dos 177 radares espalhados pela cidade, a solução de Souza foi não tirar o veículo da garagem.

"Eu me distraí um pouco. Quando lembrei que tinha de marcar a inspeção, já era tarde. Liguei para agendar na quinta e na sexta-feira da semana passada, mas não tinha mais." Souza só conseguiu um horário para regularizar seu Palio 2002, de placa final 7, amanhã, dia 8.

"Até lá eu não saio com meu carro na rua. Se precisar sair, vou de táxi mesmo", diz Souza. "Achei que poderia tomar quatro multas, cada um fala uma coisa. Tem muita gente confusa achando que está sujeita a muitas multas, poucos sabem que só pode uma."

Nos primeiros seis meses da fiscalização, cada motorista poderá receber no máximo uma infração por mês.

Sem tempo. Já o auxiliar de produção Luciano Souza, de 35 anos, fez diferente. Mesmo sabendo que ontem poderia ter sido multado por não ter passado na vistoria, resolveu arriscar e passou pela Rua da Consolação - local da região central onde há radares inteligentes instalados. Trocando um pneu careca do seu Monza ano 1996, o motorista disse que pretende regularizar sua situação o quanto antes. "Não tive tempo de ver isso ainda", justificou.

Quando foi informado pela reportagem de que o valor da multa por falta de inspeção é de R$ 550, Souza ficou surpreso. "É um tanto salgada, vou agendar neste mês ainda", prometeu.

Segunda tentativa. O taxista José Severino Cesário, de 50 anos, foi reprovado na primeira vistoria que passou neste ano e ainda não conseguiu fazer uma revisão para passar novamente pela inspeção. Sabendo que pode ser multado, o taxista se preocupa com futuros problemas de licenciamento.

"A multa é abusiva, mas quem controla a qualidade do combustível? Ninguém vê?", indaga Cesário. "No momento, estou preocupado em regularizar minha situação e em escapar dessa multa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.