Taxas são parecidas às da época em que tráfico era amador

Um dos fatos mais intrigantes da história recente da cidade de São Paulo é a rápida mudança de comportamento envolvendo um ato tão extremo como o assassinato. Entre 1960 e 2000, o aumento dos homicídios foi de mais de 900%. Principalmente nos anos 1990, foram tempos de desordem, com mais de 50 homicídios por fim de semana e chacinas que beiravam a centena de casos.

Bruno Paes Manso, O Estado de S.Paulo

26 Julho 2011 | 00h00

Nos últimos 11 anos, a queda já ultrapassa os 80%, voltando às mesmas taxas da época em que a cidade tinha poucos problemas com crack e tráfico de drogas e quando ladrões mais ousados viravam pesadelo das famílias paulistanas, como foi o caso do Bandido da Luz Vermelha, preso em 1967. São Paulo tinha 4 milhões de habitantes e o Tatuapé era considerado periferia.

Existem diferentes hipóteses para explicar a queda na violência, todas importantes para compreender as mudanças na capital. Passam pelas explicações demográficas - a proporção na população dos jovens, principais vítimas e autores da violência, por exemplo, diminuiu -, pelas mudanças legislativas (a pena inafiançável para quem fosse detido com armas frias desestimulou a posse de arma) e pelas transformações na maneira de as polícias atuarem - foco de policiamento nos bairros que registram mais casos, investimento em mapeamentos criminais online e avanço nos departamentos especializados em investigação de homicídios. O fortalecimento das atividades culturais e o trabalho de organizações não governamentais também são apontados como fatores relevantes.

Se esses avanços tiveram impacto importante nos casos de crime contra a vida, ainda é difícil compreender por que as mesmas medidas não são suficientes para inibir os casos de crimes contra o patrimônio e o tráfico de drogas. A atividade criminosa continua sendo encarada como uma possibilidade para importante fatia da população, como mostram as taxas de violência.

Mesmo o crescimento no total de prisões, que também é apontado como hipótese para a queda de assassinatos, não é capaz de inibir os roubos e furtos de uma maneira geral. Descobrir como mudar esse comportamento ainda é o principal desafio da área social e de segurança pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.