Taxa em 2012 foi a menor

A queda contínua do desmatamento é a principal bandeira ambiental do governo federal e o trunfo para reduzir seus níveis de emissões de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global. Isso porque a perda da floresta é a atividade que mais contribuiu historicamente para as emissões do Brasil. Sua queda deixa o País bem perto das metas voluntárias que estabeleceu em 2009, na conferência do clima da ONU, em reduzir suas emissões até 2020.

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2013 | 02h09

De agosto de 2011 a julho de 2012, a taxa de desmate caiu 29% em relação ao período anterior, chegando a 4.571 km², a mais baixa da história do monitoramento.

Em geral, a tendência mostrada pelo Deter acaba sendo confirmada pelo Prodes. O único ano em que isso não bateu foi em 2011. O Deter havia mostrado no acumulado de agosto de 2010 a julho de 2011 uma alta de 15%, mas quando saíram os dados consolidados e mais refinados do Prodes, o desmatamento tinha caído 11% em relação ao ano anterior. /G.G.

Mais conteúdo sobre:
DesmatamentoAmazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.