FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Tatuzão do Metrô fura sem 'conhecimento' do solo, diz secretário

Clodoaldo Pelissioni afirma que pagar R$ 1 bilhão a mais pela Linha 5-Lilás está dentro da lei

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

24 de novembro de 2015 | 23h27

O secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, confirmou que o Metrô de São Paulo, acostumado a fazer obras subterrâneas, não tem conhecimento do subsolo paulistano. 

A afirmação foi feita nesta terça-feira, 24, após ele ser questionado se acha certo que o governo do Estado pague um R$ 1 bilhão a mais pelas obras atrasadas da Linha 5-Lilás porque a companhia não previu interferências no projeto básico, tendo que fazer atualizações de contrato durante o andamento das obras. 

Como o Estado mostrou, planejada para ser finalizada em 2014 e a 650 dias sem ter uma estação entregue, a Linha 5-Lilás do Metrô ficou mais de R$ 1 milhão mais cara por dia só entre maio e novembro deste ano

"Na hora que os tatuzões escavam (o Metrô) não tem 100% de conhecimento sobre o solo", explica Pelissioni. "Na verdade, na hora que você executa uma obra de Metrô, você tem diversos imprevistos", diz o secretário. Ainda de acordo com ele, durante as obras na linha que vai ligar o Capão Redondo à Chácara Klabin, parte do subsolo sob a Avenida Santo Amaro cedeu e futuras estações tiveram de ter as paredes alargadas. 

Até uma passarela de pedestres em um dos pátios virou justificativa. As empresas que foram contratadas para fazer a extensão receberam R$ 4,2 bilhões do Estado para executar as obras. Neste ano, o valor subiu em quase R$ 1 bilhão por causa dos "imprevistos" que não foram identificados na fase do projeto básico. 

Os valores atualizados são recebidos através de aditivos de contrato: só na Linha 5 o Metrô fez 60. Pelissioni diz também que o Estado publica editais e gasta mais dinheiro público de acordo com a lei, já que as licitações permitem pagar 25% dos valores iniciais das empresas que vencem as concorrências. Já o governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que "não tem alteração de preço", mas sim dos serviços executados.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.