Tatto se diz surpreso com denúncia sobre sócio de sua mulher

'Ele é namorado da minha cunhada. Abriram uma microempresa conjunta em 2010 e essa empresa não vingou', afirma o secretário, que diz desconhecer investigação

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2013 | 16h33

SÃO PAULO - O secretário municipal dos Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, disse nesta quarta-feira, 6, que recebeu com surpresa a informação de que o sócio de sua mulher é investigado pela Controladoria-Geral do Município (CGM) por suspeita de desvio de recursos. A informação foi revelada pelo site da revista Veja.

"Ele é namorado da minha cunhada. Eles abriram uma microempresa conjunta em 2010 e essa empresa não vingou. Ela faliu antes de começar. Então, não teve movimentação nenhuma. É isso", afirmou Tatto durante evento com o prefeito Fernando Haddad (PT) na Água Branca, na zona oeste da capital paulista.

"E eu também não sabia que estava sendo investigado. É essa relação que eu tenho com ele. Não é nem de parentesco, né? É uma relação por ser namorado da minha cunhada. Só", concluiu o dirigente.

De acordo com a reportagem da revista, Adli Tatto, mulher do secretário, é sócia do auditor fiscal da Prefeitura Moacir Fernando Reis no estacionamento Samepark, microempresa com sede na residência de Tatto, na Vila Mariana, na zona sul.

Mas o dirigente disse que a empresa não existe mais. "Ela foi aberta em 2010, ficou escanteada, ficou lá parada, ninguém lembrava da existência dessa empresa, mas é isso."

De acordo com ele, tratava-se de uma microempresa com um capital de R$ 20 mil. Ela pertenceria, ainda conforme Tatto, à sua mulher, a um irmão e a uma irmã dela e a Reis, que é namorado dessa irmã.

Questionado sobre se mantém contato com Reis, Tatto disse que sim. "É mais contato social, pela relação que tem. Volta e meia a gente se encontra, mas mais o contato social pelo fato de ser o namorado da minha cunhada."

O secretário também disse não ter acompanhado as investigações em torno de Reis. "Ele está sendo investigado. Não sei dizer se tem algo contra ele, porque não tenho informações sobre a investigação. Mas do ponto de vista do cotidiano, do dia a dia, não tem qualquer coisa que aparenta desvio. Mas vamos deixar a investigação verificar."

Ao ser perguntado se confia em Reis, Tatto respondeu: "Veja, eu confio em mim."

Mais conteúdo sobre:
Jilmar Tatto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.