Taser continuará a ser usada pela polícia paulista

O comandante da Polícia Militar de São Paulo, coronel Álvaro Batista Camilo, afirmou ontem que as armas de eletrochoque vão continuar a ser usadas pela corporação em todo o Estado. Ele destacou o fato de ser uma arma não letal para justificar seu uso. "A Taser é uma excelente arma, e é bastante usada aqui. Os PMs de São Paulo estão treinados e vão continuar a usá-la normalmente", afirmou o comandante da corporação.

O Estado de S.Paulo

27 Março 2012 | 07h40

Segundo Camilo, as mortes provocadas pelo uso do armamento não são motivo para "aposentá-lo". "Pode acontecer algum problema? Pode, mas é melhor usar uma Taser do que uma arma letal. O método Taser em São Paulo já tem um padrão operacional bem definido."

O presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), Ivan Seixas, não acredita na declaração de que a arma é não letal. "Tanto é letal que matou o menino na Austrália." Para ele, o uso só poderia ser liberado caso existisse uma regulamentação. "Do mesmo modo que o policial tem de justificar o disparo de arma de fogo, ele deveria apresentar um relatório sobre a utilização do eletrochoque", explicou Seixas, que considera arbitrário o critério policial.

Já o presidente da Associação dos Advogados Criminalistas do Estado (Acrimesp), Ademar Gomes, informou que encaminhou à Câmara dos Deputados uma solicitação para que se regularize a comercialização desse tipo de arma no País. "Não há nenhuma lei que fale especificamente sobre isso. É necessário que se diga quem pode usar." O Estado mostrou na sexta-feira que é possível comprar Taser pela internet por até R$ 500. / WILLIAM CARDOSO e CAMILA BRUNELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.