Tarifas do Metrô e CPTM ficam mais caras a partir deste sábado

Valor vai de R$ 2,30 para R$ 2,40; integração para quem usa bilhete único vai de R$ 3,50 a R$ 3,65

09 de fevereiro de 2008 | 10h50

A tarifa do bilhete unitário do Metrô de São Paulo e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) sobe a partir deste sábado, 9, de R$ 2,30 para R$ 2,40. Quem faz viagem ônibus-Metrô ou ônibus-trem, usando o cartão do bilhete único, também vai pagar mais, a partir da mesma data: em vez dos R$ 3,50, o passageiro vai desembolsar R$ 3,65 pela tarifa integrada.  Os ônibus da capital paulista não sobem - continuam custando R$ 2,30. Quem tiver créditos no cartão do bilhete único com data anterior à do aumento poderá usá-los para pagar suas viagens com o preço antigo, até que se esgotem, mesmo depois do aumento. O sistema tem condições de identificar a data da recarga e cobrar menos. Na semana passada, as assessorias de imprensa do Metrô e da própria CPTM haviam garantido que todos os passageiros já pagariam o novo valor, mas recuaram. Só ficam de fora do aumento os bilhetes especiais de Metrô e CPTM: o cartão fidelidade e o bilhete lazer (BLA). O primeiro continuará a custar R$ 42 (com direito a 20 viagens). O BLA, que é válido em fins de semana (das 18h de sábado à meia-noite de domingo) e também em feriados, continuará a custar R$ 2 por viagem (a recarga obrigatória do cartão é de R$ 20, ou seja, 10 viagens). As passagens de trólebus e ônibus intermunicipais, sob responsabilidade da EMTU, também tiveram reajuste, que será diferenciado, de acordo com a área da linha e o município. Nos trólebus, o bilhete sobe para R$ 2,40. Nos ônibus, o aumento vai variar entre 3,22% e 3,48%. Mais mudanças A Prefeitura de São Paulo vai proibir, a partir de março, que o bilhete único seja carregado na catraca pelo próprio cobrador do ônibus, como acontece atualmente. A medida tem com objetivo combater fraudes por parte dos passageiros. Atualmente, o passageiro que estiver com o cartão descarregado pode pagar os R$ 2,30 e validar o bilhete para garantir o direito de fazer mais três viagens, sem custo, no prazo de duas horas. Esse processo, no entanto, dá margem à chamada fraude da "janelinha". Dois passageiros dividem o mesmo cartão descarregado. Um deles paga a tarifa na catraca e depois entrega o bilhete, pela janela, para quem está do lado de fora do ônibus. Assim, é possível fazer mais três viagens de graça. Dúvidas sobre a mudança podem ser esclarecidas pelo telefone 0800-771-0118. (com Elvis Pereira, Naiana Oscar e Daniel Gonzales)

Tudo o que sabemos sobre:
MetrôCPTM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.