Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

Tapete de Corpus Christi celebra vinda do papa em Santana de Parnaíba

Cobertura tradicional de serragem feita pela população tem 850 metros de comprimento e traz, entre os temas, a visita do pontífice ao País, em julho

O Estado de S. Paulo

30 Maio 2013 | 14h18

SANTANA DE PARNAÍBA - A cidade de Santana de Parnaíba, a 45 quilômetros da capital paulista, realiza nesta quinta-feira, 30, a tradicional festa de Corpus Christi, com o típico tapete artesanal de serragem cobrindo as principais vias do centro historico. A obra, com várias cores, tem 850 metros de extensão e emprega 80 metros cúbicos de serragem, além de materiais como areia e até pipoca.

Este ano, a celebração traz o seguinte tema: "No ano da fé, a eucaristia gera vida em plenitude na vida da comunidade", que está retratado na maior parte dos 60 quadros que compõem o tapete. Há também imagens sobre o Credo, a Campanha da Fraternidade 2013, além da Jornada Mundial da Juventude, que trará o papa Francisco ao Brasil em julho.

A serragem usada no tapete, metade fina e metade grossa, é tingidas pelos funcionários da Oficina Cultural da cidade - setor da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. A cobertura se estende pelas seguintes vias: Largo da Matriz, Rua Suzana Dias, Largo São Bento, Rua Santa Cruz, Rua Bartolomeu Bueno, Praça Quatorze de Novembro, Praça da Bandeira e Rua Padre Miguel Mauro.

Programação. Ao longo do dia, são realizadas três missas, sendo a última, às 15h, seguida pela tradicional procissão por cima do tapete artesanal. Além da programação religiosa, os moradores e turistas poderão aproveitar o dia para visitar a Feira de Artesanato e Praça de Alimentação, que estarão montadas em algumas vias do centro.

História. A celebração da Festa de Corpus Christi - do latim, corpo de Cristo - teve origem em 1243, em Liége, na Bélgica, quando a freira Juliana de Mont Cornion teve visões de Cristo, e manifestou o desejo de que a ocasião fosse lembrada. Em 1264, o evento foi estendido para toda a Igreja Católica, por determinação do Papa Urbano IV.

Segundo a prefeitura, não há registro histórico sobre o início das manifestações nas de Santana de Parnaíba. Até 1968 - ano em que a serragem passou a integrar o painel de cores - as ruas e janelas de Santana de Parnaíba eram ornamentadas com flores vermelhas de São João, comuns nos meses de junho e julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.