Tamoios é a pior estrada para o litoral paulista

Rodovia tem trechos com asfalto esburacado e sem acostamento; reportagem percorreu 510 km das principais vias do Estado

Marcela Spinosa, O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2010 | 00h00

A Rodovia dos Tamoios, um dos principais acessos ao litoral norte paulista, terá trechos precários neste fim de ano. O recapeamento das pistas entre os quilômetros 11 e 64 será suspenso até a segunda semana de janeiro e, nos trechos que ainda não passaram por obras, o motorista encontrará asfalto esburacado e percurso sem acostamento. Na serra, as defensas de proteção de concreto estão quebradas.

Com 83 km de extensão, a Tamoios é a rodovia que apresenta as piores condições de tráfego entre as rotas que ligam São Paulo ao litoral do Estado. Essa constatação foi feita segunda-feira pela reportagem, que percorreu 510 quilômetros de estradas. Além da Tamoios, a Mogi-Bertioga, a Rio-Santos, a Padre Manoel da Nóbrega e a Imigrantes foram visitadas. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estima que 1,5 milhão de veículos deixarão a capital entre hoje e sábado.

Apesar de haver pontos já recapeados, como o entre o km 40 e o 42, a estrada ainda tem muitas ondulações na pista por causa de asfalto mal conservado. No km 28, dez vigas de concreto estão no acostamento da faixa sentido Caraguatatuba. As estruturas fazem parte da construção de uma ponte. Os trabalhos serão suspensos no fim de ano. No trecho, o acostamento foi estreitado e há desnível entre a pista e o trecho usado pela construção.

Deslizamentos. A Tamoios, ao lado da Mogi-Bertioga e da Rio-Santos, foi uma das mais afetadas por deslizamentos no verão passado. A Mogi-Bertioga foi recuperada e os trabalhos para contenção de encosta e reconstrução de pistas estão concluídos. Quem a usar encontrará uma estrada em boas condições.

O mesmo não ocorre na Rio-Santos, entre o Guarujá e São Sebastião. Até o dia 31, devem ser concluídos reparos em dois pontos. Um fica no km 238. Lá foi feita uma obra para contenção de encosta danificada pela chuva. Os trabalhos já estão prontos, mas a sinalização no asfalto ainda precisa ser pintada. O outro trecho é no km 142, em São Sebastião. Parte da pista rachou em abril por causa da chuva e o trecho precisou ser refeito. A obra está pronta, faltando apenas a pintura das faixas.

Os motoristas que seguirem para a Baixada Santista encontrarão boas condições de tráfego nas Rodovias Imigrantes e Cônego Domenico Rangoni. Já para o litoral sul, o asfalto na Padre Manoel da Nóbrega apresenta rachaduras e ondulações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.