TAM diz que seguiu normas da Airbus sobre problema no reversor

A TAM divulgou novo comunicado nesta sexta-feira reiterando que a falha no reversor direito do Airbus A320 que fazia o vôo 3054 foi informada à imprensa na entrevista coletiva de 18 de julho. A empresa também voltou a afirmar que adotou os procedimentos previstos no manual da Airbus para esta falha, ou seja, travou (pinou, no jargão aeronáutico) o equipamento. Veja a íntegra da nota:   "Esclarecimento à Sociedade Ainda sob o impacto da tragédia ocorrida na última terça-feira, a TAM vem a público mais uma vez para prestar esclarecimentos à sociedade. A TAM cumpre rigorosamente todas as determinações técnicas de manutenção e operação das aeronaves de sua frota, assegurando seu compromisso absoluto com a segurança, um de seus destacados mandamentos ("Mais importante que o cliente é a segurança"). A respeito de notícias veiculadas sobre o reversor do Airbus A320, prefixo PR-MBK, que realizou o vôo 3054, a empresa informa que: 1) O presidente da TAM, Marco Antonio Bologna, e o vice-presidente Técnico, Ruy Amparo, responderam questionamento sobre este item em entrevista coletiva realizada no último dia 18, quarta-feira. Portanto, já era pública desde o dia posterior ao acidente (18/07) a informação de que o reversor direito da referida aeronave estava desativado, procedimento realizado em conformidade com os Manuais da fabricante Airbus e aprovados pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). 2) Aviões modernos, tais como o Airbus A320, incluem em suas certificações um grande número de redundâncias em seus sistemas básicos a fim de elevar seus níveis de segurança e de eficiência operacional. 3) Os manuais do fabricante da aeronave (MEL - Lista de Equipamentos Mínimos), aprovados pelas autoridades francesa e brasileira, determinam com alto nível de precisão a configuração necessária para que o avião execute cada tipo de vôo de forma segura e absolutamente dentro das condições operacionais previstas (meteorologia e pista). 4) De acordo com a política de transparência que norteia a gestão da empresa, a TAM disponibiliza em seus sites (www.tam.com.br e www.taminforma.com.br) as cópias das páginas dos manuais certificados que mostram claramente a completa legalidade e segurança do vôo realizado com um reversor desativado. 5) Também está disponível em seus sites a cópia do livro de bordo que mostra claramente, inclusive com a assinatura do estimado Comandante Kleyber, a ausência de qualquer problema técnico que pudesse afetar a operação do vôo na partida de Porto Alegre. 6) Apresenta também a declaração da Airbus, fabricante da aeronave, que atesta a normalidade do vôo com um ou mesmo dois reversores inoperantes. 7) A TAM ressalta ainda que todos os cálculos de performance de pouso feitos pelo fabricante e que norteiam a operação de qualquer empresa aérea em aviões do porte e tecnologia do A320 são feitos dependendo exclusivamente do sistema de freios hidráulicos do avião. 8) A aeronave prefixo MBK foi incorporada a frota da TAM em 2006 e estava com 26,320 mil horas de vôo. A ultima revisão de linha (check-A) foi realizada em 13 de junho de 2007 e a estrutural (check C) em 27 de novembro de 2006 com vencimento previsto para julho de 2008. 9) As investigações do acidente estão sob a responsabilidade do Comando da Aeronáutica por meio do Centro Nacional de Investigação de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) que já encaminhou as "caixas pretas" (Flight Data Recorder e Cockpit Voice Recorder) ao NTSB (National Transportation Safety Board) em Washington para a leitura dos dados do vôo JJ 3054.   Neste momento, além de lamentar a tragédia, a TAM se solidariza com a dor das famílias e amigos das vítimas dos passageiros e de seus funcionários. A empresa reafirma seu compromisso solene com os esforços para reduzir as conseqüências dolorosas do acidente, incluindo o forte empenho para sempre dar continuidade aos processos de informações da empresa para a sociedade. TAM Linhas Aéreas São Paulo, 20 de julho de 2007"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.