'Talvez devêssemos amadurecer a questão (da transmissão do júri)'

Paulo Dimas Mascaretti, presidente da Associação Paulista dos Magistrados (APAMAGIS)

, O Estadao de S.Paulo

23 Março 2010 | 00h00

ENTREVISTA

Pessoalmente, o que o senhor acha da possibilidade de transmitir um julgamento ao vivo?

Inicialmente, eu não vejo grandes óbices. Mesmo porque a questão é pública e não haveria nenhum inconveniente de as pessoas acompanharem. Se houver espaço, qualquer um pode assistir à sessão. Acredito que, pelo interesse público que a transmissão atrai, poderia inclusive servir para mostrar ao público o que é um julgamento no Tribunal do Júri.

As sessões do Supremo Tribunal Federal são transmitidas ao vivo. Qual é a diferença?

Não existe diferença substancial. Talvez devêssemos amadurecer melhor a questão... Isso é didático, faz parte do jogo democrático.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.