Sebastião Moreira/Estadão
Sebastião Moreira/Estadão

Suzane von Richthofen recusa semiaberto e diz que quer ficar na prisão

Jovem afirmou que pretende esperar a instalação de uma ala de semiaberto em Tremembé para cumprir novo regime no presídio

Chico Siqueira, Especial para O Estado

19 Agosto 2014 | 19h51

SÃO PAULO - Beneficiada pela progressão de regime ao semiaberto, Suzane von Richthofen não quer mais deixar a Penitenciária Feminina 1 de Tremembé (SP), onde cumpre pena de 39 anos e seis meses, em regime fechado, pelo assassinato dos pais, em 31 de outubro de 2002. 

Em carta enviada à direção do presídio, Suzane diz que pretende esperar a instalação de uma ala de semiaberto para que possa cumprir o novo regime no mesmo presídio, cujas obras só devem ser concluídas em seis meses. 

Mas em contrapartida, Suzane poderia continuar trabalhando, ter direito à remição de pena (redução da pena de um dia para cada dois trabalhados) e receber os salários das atividades que desenvolve dentro da penitenciária.

De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), Suzane enviou nesta segunda-feira, 18, carta à direção do presídio pedindo para permanecer na unidade. "Suzane declarou que gostaria de permanecer na Penitenciária Feminina 1 de Tremembé, aguardando o término da ala de regime semiaberto que está sendo construída na penitenciária", diz nota da SAP. 

"A presa observa também que pretende continuar o trabalho na Funap, pois necessita da remição e do salário das atividades", completa a nota.

A carta foi enviada para a Vara de Execuções Penais de Taubaté, que ainda não analisou seu conteúdo e não tem prazo para se manifestar.

O pedido de Suzane ocorre uma semana após a juíza da Vara de Execuções Penais de Taubaté, Sueli Zeraik de Oliveira Armani, conceder a progressão de regime, atendendo pedido da defesa, que tentava desde 2009 a transferência para regime semiaberto.

Na segunda-feira, 18, o Ministério Público recorreu da concessão do benefício, alegando que Suzane não foi aprovada nos exames de personalidade e por isso não poderia ser colocada em novo regime, sob risco de tentar uma fuga.

Apesar de ter recebido o benefício, Suzane ainda esperava vaga no sistema para ser transferida de Tremembé. Segundo a SAP, se Suzane tiver seu pedido aprovado, terá de ficar em regime fechado por mais seis meses pelo menos. 

De acordo com a SAP, as obras da nova unidade de semiaberto da P1 Feminina de Tremembé tiveram início em 8 de agosto, vão beneficiar 78 detentas e tem prazo de conclusão para fevereiro de 2015.

A reportagem não conseguiu localizar o advogado de defesa, Denivaldo Barni, para comentar o assunto. Representantes do Ministério Público disseram que iriam se informar sobre o pedido nos autos para depois se manifestarem, possivelmente nesta quarta-feira, 20.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.