Reuters
Reuters

Suzane Richthofen e Anna Jatobá ganham saída da prisão pelo Dia das Mães

As duas já deixaram a penitenciária e devem retornar à cadeia na terça-feira

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 11h33

SOROCABA – Condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos pais, em 2002, a presa Suzane von Richthofen deixou a penitenciária feminina de Tremembé, na manhã desta quinta-feira, 10, para passar o Dia das Mães em liberdade.

Outra presa famosa, Anna Carolina Jatobá, condenada a 26 anos e oito meses de cadeia pela morte da enteada Isabela Nardoni, também foi beneficiada com a saída temporária correspondente ao dia em que se prestam homenagens às mães. Ela saiu do presídio um pouco antes da colega de prisão.

+++ ‘Memória dela é eterna, mas não é ferida tão aberta’, diz mãe de Isabella Nardoni

Suzane já era esperada pelo noivo e seguiu com ele para Angatuba, na região de Sorocaba, onde o empresário mora. O destino de Anna Jatobá não foi informado. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), as duas devem se apresentar de volta à Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé, até as 17 horas de terça-feira, 15.

+++ Após soltura dos irmãos Cravinhos, Suzane fica a um passo da liberdade

+++ Laudo diz que Suzane está apta a cumprir pena em liberdade

A presa cumpre pena desde 2006 e, há três anos, está em regime semiaberto. A Defensoria Pública de Taubaté entrou com pedido de progressão para o regime aberto, no qual o preso fica em liberdade. No último dia 3, Suzane foi submetida ao teste de Rorschach, avaliação psicológica também conhecida como "teste do borrão de tinta". O resultado é avaliado pela Justiça e há expectativa de que seja concedido a ela o regime aberto.

+++ Cristian Cravinhos é denunciado por corrupção e posse de munição

No caso de Anna Carolina, seu advogado também pediu a progressão de regime, alegando que ela já ficou o tempo legal na prisão e pode cumprir em casa o restante da pena. A presa foi condenada, juntamente com o marido, Alexandre Nardoni, pela morte de Isabela, jogada do sexto andar do prédio onde moravam, na zona norte de São Paulo, em março de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.