Reuters
Reuters

Suzane Richthofen e Anna Jatobá ganham saída da prisão pelo Dia das Mães

As duas já deixaram a penitenciária e devem retornar à cadeia na terça-feira

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 11h33

SOROCABA – Condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos pais, em 2002, a presa Suzane von Richthofen deixou a penitenciária feminina de Tremembé, na manhã desta quinta-feira, 10, para passar o Dia das Mães em liberdade.

Outra presa famosa, Anna Carolina Jatobá, condenada a 26 anos e oito meses de cadeia pela morte da enteada Isabela Nardoni, também foi beneficiada com a saída temporária correspondente ao dia em que se prestam homenagens às mães. Ela saiu do presídio um pouco antes da colega de prisão.

+++ ‘Memória dela é eterna, mas não é ferida tão aberta’, diz mãe de Isabella Nardoni

Suzane já era esperada pelo noivo e seguiu com ele para Angatuba, na região de Sorocaba, onde o empresário mora. O destino de Anna Jatobá não foi informado. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), as duas devem se apresentar de volta à Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé, até as 17 horas de terça-feira, 15.

+++ Após soltura dos irmãos Cravinhos, Suzane fica a um passo da liberdade

+++ Laudo diz que Suzane está apta a cumprir pena em liberdade

A presa cumpre pena desde 2006 e, há três anos, está em regime semiaberto. A Defensoria Pública de Taubaté entrou com pedido de progressão para o regime aberto, no qual o preso fica em liberdade. No último dia 3, Suzane foi submetida ao teste de Rorschach, avaliação psicológica também conhecida como "teste do borrão de tinta". O resultado é avaliado pela Justiça e há expectativa de que seja concedido a ela o regime aberto.

+++ Cristian Cravinhos é denunciado por corrupção e posse de munição

No caso de Anna Carolina, seu advogado também pediu a progressão de regime, alegando que ela já ficou o tempo legal na prisão e pode cumprir em casa o restante da pena. A presa foi condenada, juntamente com o marido, Alexandre Nardoni, pela morte de Isabela, jogada do sexto andar do prédio onde moravam, na zona norte de São Paulo, em março de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.