Suspenso restauro de casarão histórico da Consolação

Empresa contratada pela Prefeitura para reformar a Chácara Lane desistiu do serviço; incêndio atingiu imóvel no mês passado

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2010 | 00h00

 

 

A restauração da Chácara Lane, casarão histórico na Rua da Consolação, região central de São Paulo, está parada por tempo indeterminado. Previsto para terminar em setembro de 2009, o restauro, orçado em R$ 1,2 milhão, foi interrompido em janeiro sem passar da metade. A empresa responsável pela obra rescindiu o contrato, alegando "dificuldades financeiras". Não há prazo para a retomada dos trabalhos.

Com a obra parada há cinco meses, o centenário casarão, construído entre 1890 e 1906, começa a se deteriorar - na manhã de 25 de abril, a chácara chegou a ser atingida por um incêndio, que começou na cozinha. O fogo destruiu azulejos das paredes, e as labaredas chegaram ao forro do imóvel, que tem estrutura toda construída de madeira. Um vigia, de acordo com vizinhos, evitou que o fogo se alastrasse para outros cômodos. O incêndio foi causado por um curto-circuito em uma ligação elétrica irregular, instalada por funcionários da obra.

O restauro da chácara - propriedade da Prefeitura desde 1944 e tombada pelo Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio Histórico (Conpresp) em 2004 - estava a cargo da empresa Fazer Construções e Engenharia, que alegou "impossibilidade técnica" para finalizar o trabalho. As obras duraram um ano, desde janeiro de 2009, mas não passaram da fase inicial. Foram removidos forros, demolidos anexos não-originais e a cobertura foi reformada. No total, a empresa recebeu R$ 337 mil. A reforma faz parte do Plano de Metas da gestão de Gilberto Kassab (DEM).

Ratos. A interrupção do restauro no imóvel histórico - antiga sede residencial da chácara da família Lane - traz problemas também à Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Gabriel Prestes, vizinha do casarão. Desde que as obras foram interrompidas, segundo funcionários da Emei, a incidência de ratos no lixo da merenda ou percorrendo o beiral do parquinho da escola - que atende 200 crianças, de 3 a 6 anos - se tornou diária. A direção da Emei entrou em contato com o Departamento de Patrimônio Histórico (DPH), responsável pela conservação do imóvel, mas foi orientada a "ter paciência". Por meio de nota, a Secretaria Municipal da Cultura afirmou que o bem histórico apresenta bom estado de conservação e "não corre risco".

Futuro. Ainda não há uso definido para a chácara. Após ter sido cotada para se tornar sede do DPH, agora há um projeto na Secretaria da Cultura que prevê transformá-la num "centro de desenho", que receberia acervo do Centro Cultural São Paulo.

Um novo edital de licitação será preparado até junho, mas ainda não há previsão para a retomada das obras.

POR DENTRO DA CHÁCARA LANE

O casarão do número 1.024 da Rua da Consolação foi construído entre 1890 e 1906 pela família do reverendo presbiteriano George Whitehill Chamberlain. Na década de 1910, segundo pesquisa do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH), o imóvel foi adquirido pelo médico Lauriston Job Lane, cuja família o utilizou como chácara até os anos 1940. Adquirido pela Prefeitura em 1944, foi cedido à Cruz Vermelha. Entre 1953 e 1990, o casarão abrigou o Arquivo Histórico Municipal. Em 1995, a Chácara Lane abrigou a Biblioteca Circulante da Secretaria da Cultura, até 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.