Suspeito foge pela janela de delegacia na zona sul de SP

Policiais civis deixaram foragido sozinho dentro de sala; no Ipiranga, PM foi agredida por escrivão durante abordagem

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2014 | 19h30

SÃO PAULO - Um foragido por tráfico de drogas fugiu pela janela do 92.º DP (Parque Santo Antônio), zona sul da capital, na tarde da última quinta-feira, 28, enquanto aguardava a legitimação. O Estado apurou que Heliano Pinheiro Santos havia sido detido pela Polícia Militar após abordagem de rotina. O suspeito estava sem documentos e foi levado para a delegacia. 

Os PMs apresentaram Santos para um dos delegados do distrito, que o deixou sob os cuidados de dois escrivães da unidade. Os policiais deixaram o suspeito sozinho em uma sala. Quando o resultado da legitimação ficou pronto, comprovando que o suspeito tinha uma condenação na Justiça e precisava ser preso, os escrivães retornaram e perceberam que Santos havia voltado novamente para a situação de foragido, pois havia escapado da delegacia por uma janela.

Ao saber que o suspeito havia fugido de dentro da delegacia, os PMs que apresentaram a ocorrência no 92º DP registraram um boletim de ocorrência na Corregedoria da Polícia Civil. Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública foi instaurado um inquérito para investigar o caso. 

Fuga e agressão. Durante a madrugada desta sexta-feira, 29, um escrivão do 95º DP (Heliópolis) fugiu da PM e agrediu uma policial militar em uma abordagem. O policial estava dentro do carro com irmão e foi perseguido após colidir contra um veículo estacionado na rua Mil Oitocentos e Vinte e Dois, no Ipiranga, na zona sul. 

O dono do veículo atingido chamou os policiais. Após a perseguição, os PMs conseguiram parar o veículo do escrivão e durante a abordagem os PMs constaram que ele e o irmão estavam alcoolizados. Os dois agrediram uma policial militar que participava da ocorrência e precisaram ser detidos pelos PMs. Novamente, a Polícia Militar precisou levar o caso para a Corregedoria da Polícia Civil. A Secretaria de Estado de Segurança Pública também afirmou que foi instaurado um inquérito para investigar o policial civil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.