Suspeito dos assassinatos na Oscar Freire passará a madrugada em Jaboticabal

Detido em Sertãozinho, estudante teria confessado informalmente o crime e alegou legítima defesa

William Cardoso, de O Estado de S.Paulo, e Ricardo Valota, da Central de Notícias,

30 de agosto de 2011 | 00h55

SÃO PAULO - O estudante Lucas Cintra Zanetti Rosseti, de 21 anos, principal suspeito pelo duplo assassinato ocorrido há uma semana em um apartamento na Rua Oscar Freire, nos Jardins, zona sul de São Paulo, chegou, no início da madrugada desta terça-feira, 30, à Cadeia Pública de Jaboticabal, cidade vizinha a Sertãozinho, onde, na segunda-feira, 29, foi preso por agentes da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) daquele município.

 

O delegado e os investigadores do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que investigam o caso também estão em Jaboticabal, cuja cadeia serve como carceragem transitória até a transferência do preso, para tomar depoimento do estudante, que dever ser trazido para a capital paulista somente na manhã desta terça-feira.

 

Após denúncia anônima sobre o local onde estava, Lucas foi cercado por 12 policiais e não esboçou reação. Informalmente, disse que agiu em legítima defesa. Oficialmente, não havia se pronunciado até a noite de segunda-feira. Na madrugada de segunda para terça-feira da semana passada, o analista de sistemas Eugênio Bozola, de 52 anos, e o modelo Murilo Rezende da Silva, de 21, foram assassinados a facadas no apartamento onde viviam.

 

Na manhã seguinte ao crime, a empregada doméstica encontrou o corpo do patrão na cozinha do apartamento. O do modelo estava em um dos quartos. Rosseti era um dos hóspedes de Bozola e, depois do crime, fugiu para o interior de São Paulo no Honda Civic prata do analista de sistemas. Na quinta, ele foi apontado pela polícia como o responsável pelas mortes.

 

Rosseti foi encontrado por policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sertãozinho em uma casa na Vila Áurea Mendes Gimenes, na periferia da cidade. É o mesmo bairro onde foi localizado anteontem o carro de Bozola. A informação sobre onde o suspeito estava veio após uma apreensão em um ponto de tráfico de drogas. Na casa onde o suspeito se escondia, a polícia também encontrou Rita de Cássia de Sales, de 28 anos.

 

Ela falou que não sabia que Rosseti estava foragido e não explicou de onde o conhecia. Rita deverá responder por favorecimento pessoal em um termo circunstanciado. Tranquilo. O modelo Alex Rosseti, de 20 anos, afirmou que o irmão aparentava estar tranquilo, mas que não chegou a falar com ele na delegacia. Disse também que ainda não se sabe o que aconteceu no apartamento na noite do crime. Sobre Rita, falou que não sabe quem ela é. "Não conhecia essa mulher. Nunca tive contato com ela."

 

O advogado Frederico Rezende Borges esteve com Rosseti durante toda a tarde. Ele disse que o cliente não vai manifestar-se oficialmente até chegar à capital, onde será defendido pelo criminalista Ademar Gomes. "Apenas acompanhei para assegurar que ele tenha os direitos garantidos (de integridade física e de permanecer calado)."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.