Suspeito diz que advogada desaparecida era sua 'rainha'

Ex-namorado de Mércia Nakashima, sumida desde o dia 23, disse em depoimento que nunca faria algo contra ela

Leandro Calixto, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2010 | 00h00

O ex-PM Mizael Bispo, de 40 anos, principal suspeito pelo desaparecimento da advogada Mércia Nakashima, de 28, disse em depoimento ontem que tratava a ex-namorada como uma "rainha" e jamais faria algo contra ela. A moça está sumida desde o dia 23, após participar de um almoço em família em Guarulhos. Para a polícia, Mizael é o suspeito n.º 1. "Defendemos essa linha por conta de todos os depoimentos que colhemos até agora", explica o delegado Antônio Olin, da Divisão de Homicídios de Proteção à Pessoa (DHPP).

O depoimento do ex-policial durou mais de duas horas. Mizael disse que tinha boa relação com a ex-namorada e teria passado a sexta e o sábado com ela. A advogada sumiu no dia seguinte. Na semana passada, Mizael já havia sido chamado para comparecer ao DHPP. Ele esteve no local, mas, quando soube que era considerado suspeito pela polícia, foi embora sem ser ouvido. "Ele disse que foi embora porque tinha muitos jornalistas aqui", completou o delegado.

O ex-policial disse que no dia em que a advogada desapareceu esteve com o filho e também com o irmão, em casa. A polícia vai convocar o irmão do suspeito para depor. O rastreador do carro do ex-policial também será analisado. "Isso vai mostrar se ele está falando a verdade", completou o delegado.

A polícia esteve na residência do ex-PM na manhã de ontem. Encontrou ali duas armas, mas ambas estavam regularizadas e com registros da Polícia Militar. Um aparelho laser também foi passado na casa do ex-policial para ver se era possível encontrar sangue no local.

Parentes da advogada disseram para a polícia que o ex-namorado dela era muito ciumento e de uma personalidade agressiva e descontrolada. Por conta disso, a polícia acredita que ele pode ter sido o responsável pelo desaparecimento da mulher.

Na sexta-feira passada, a polícia chegou a fazer uma operação em uma favela de Guarulhos. Havia uma denúncia de que a advogada poderia estar em um cativeiro. A informação, no entanto, não tinha fundamento.

Fotos. Desde a semana passada, os parentes espalharam fotos de Mércia pela cidade. A advogada é considerada uma mulher doce e querida pelos amigos e também no ambiente familiar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.